Opinião

Da Investigação à Democracia

Rui Cernadas

Vice-presidente do CD da ARS Norte

Rui Cernadas
Vice-presidente do CD da ARS Norte

O mundo necessita da pesquisa científica como de água, o que, parecendo um exagero intelectual, coloca esta preocupação ao nível de quem procura respostas para a sobrevivência do planeta e da Humanidade.

O homem precisa de respostas e de soluções que, no imediato e a prazo, face ao impacto visível produzido nas condições ambientais e climatéricas, nos ameaça rapidamente.

No plano particular da investigação clínica e da saúde, a última década assistiu a uma enorme evolução, em especial com o surgimento das novas tecnologias de biologia molecular e das nanotecnologias.

Os desenvolvimentos no conhecimento das alterações genéticas trouxeram grandes ensinamentos e abriram novas linhas de pesquisa, ainda que muitas vezes direcionadas a setores muitos particulares. Foi assim que, sucessivamente e em áreas distintas, foram sendo relatadas mutações genéticas para as quais se evidenciaram relações diretas, seja do tipo de precursor bioquímico, seja do tipo de uma certa desestruturação tecidular, por exemplo.

A Indústria Farmacêutica tem necessidade de novas moléculas e princípios ativos, o que não depende apenas dos dólares ou dos euros! Isto é, a investigação custa, como sempre custou, obviamente, muito dinheiro, mas sabe-se que até se atingir um produto que possa vir a ser comercializado se perdem muitos milhares de outros que, igualmente custando muito dinheiro, se sabe dinheiro perdido…

Acresce que, os organismos reguladores são crescentemente mais exigentes, o que representa para as companhias e instituições a obrigatoriedade de apertados estudos clínicos, cada vez mais criteriosos, mais complexos, mais prolongados e mais dispendiosos!

Muitos dos fármacos hoje largamente usados seriam, no presente, objeto de rejeição pela EMA, ou pela FDA!

Há que procurar um equilíbrio entre as contas públicas e a capacidade de nos prepararmos para o futuro, sobretudo quando a sobrevivência da espécie passa, em larga medida, pela promoção da saúde dos seres humanos, num mundo – designado de global – em que tudo, o bom e o mau, chega a todo o lado e bem mais depressa do que se esperaria…

Ou então, como costumo afirmar em muitas ocasiões, que o sofrimento humano seja considerado como um apelo à pesquisa e à investigação!

Basta pensar como se gastam cerca de onze a quinze anos para poder lançar um novo medicamento, ou seja, cerca de um bilião de dólares para o colocar no mercado.

Repare-se no prazo temporal para o lançamento de um medicamento e pensemos, ao mesmo tempo, na vida média de um Governo, entre a corrida eleitoral e o termo do mandato…

Talvez por isso, a Indústria Farmacêutica é a que mais investe na investigação e desenvolvimento, mas não vemos nenhum Governo, nenhum Estado, a assumir, por inteiro ou em maioria, os riscos financeiros nesta área…

É o preço da Democracia?
Ou um custo da Liberdade?
Em Estados ditos Sociais?



Artigo publicado no Jornal Médico de fevereiro 2014

Imprimir


Médicos de família assinalam Dia Mundial da Asma 2019 na Sertã