A tecnologia «sempre esteve intimamente ligada à Medicina Física e de Reabilitação»

Todas as especialidades têm sido beneficiadas com os avanços tecnológicos que se têm feito sentir na Medicina Física e de Reabilitação (MFR), como a Pediatria, a Pneumologia e a Cardiologia. É desta forma que Catarina Aguiar Branco, presidente da Sociedade Portuguesa de MFR (SPMFR), vê a evolução da tecnologia nesta especialidade médica. As declarações surgem à margem do XVI Congresso da SPMFR, que decorre, entre hoje e sábado, no Hotel Cascais Miragem.

“A tecnologia, no centro deste Congresso, sempre esteve intimamente ligada à MFR, sendo essencial na recuperação dos doentes e na melhoria da sua qualidade de vida e bem-estar total”, salienta Catarina Aguiar Branco, que também é responsável pelo evento, que tem como temática “Tecnologia em MFR”.



Esta ligação tem-se intensificado, principalmente noutras áreas da saúde que exijam algum tipo de reabilitação. “O doente deve ser visto como um todo, logo é inevitável trabalhar de forma multidisciplinar, daí não podermos deixar de realçar o papel da inovação tecnológica na reabilitação pediátrica, em problemas respiratórios, cardiológicos, no AVC, entre outros”, refere a responsável.

Com base neste princípio de interação entre as várias especialidades médicas, o Congresso conta com a participação de diversas associações e sociedades da saúde, “porque só partilhando ideias e conhecimentos se consegue prestar melhores cuidados de saúde”.

No Congresso, que conta já com mais de 400 inscritos, segundo Catarina Aguiar Branco, realizam-se, neste primeiro dia, vários workshops “que contribuem para essa partilha de conhecimento”.

Imprimir