Aliança Europeia Contra a Depressão dá início a ações de formação para profissionais dos CSP

O secretário de Estado adjunto do ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, é um dos participantes da conferência "Prevenção do suicídio: responsabilidade partilhada", que se realiza a 10 de setembro e que assinala o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Esta iniciativa, que decorrerá em Beja, é organizada pela EUTIMIA – Aliança Europeia Contra a Depressão em Portugal e marca, simultaneamente, o início de um conjunto de ações de formação, dirigidas a profissionais dos CSP, com vista a prevenir o suicídio.

Além do próprio presidente da EUTIMIA, Ricardo Gusmão, a conferência conta ainda com as intervenções dos especialistas internacionais Lars Mehlum, da Universidade de Oslo, e Stan Kutcher, da Universidade de Dalhousie, no Canadá, que vão abordar, respectivamente, o suicídio na Noruega (em particular, nos adolescentes) e numa perspetiva global. Já o diretor do Programa Nacional para a Saúde Mental, Álvaro de Carvalho, irá proferir uma palestra intitulada: "Perspetiva epidemiológica do suicídio em Portugal".


Reduzir a mortalidade por suicídio: ações de formação para profissionais dos CSP

Beja foi o local escolhido pela EUTIMIA para organizar esta conferência e, simultaneamente, dar início a um conjunto de formações dirigidas a profissionais dos cuidados de saúde primários que permitirão alterar os atuais padrões de prescrição de benzodiazepinas (fármacos ansiolíticos) e reduzir a mortalidade por suicídio. Portugal é o país da Europa com maior prescrição destes medicamentos, cuja toma continuada, associada a efeitos dependência e tolerância, representa graves riscos para a saúde pública, podendo facilitar o suicídio".

A EUTIMIA adianta que esta ação de formação, implementada no âmbito do projeto PrimeDep (financiado pelo Programa Iniciativas em Saúde Pública/EEA Grants, operado em Portugal pela Administração Central do Sistema de Saúde), "chegará a 4300 profissionais dos cuidados de saúde primários (médicos de família, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e médicos de saúde pública) de 12 a 16 Agrupamentos de Centros de Saúde, que servem uma população de 1.8 a 2.5 milhões de habitantes".

A Aliança Europeia Contra a Depressão em Portugal sublinha ainda que, em Portugal, "em 2013, 31,7% das mulheres e 14,9% dos homens procuraram ajuda do clínico geral ou médico de família para resolver alguma perturbação psiquiátrica, sendo a depressão a mais frequente".

Imprimir