Altran premeia dispositivo inteligente para transporte de órgãos doados

O OrganOx metra ganhou o prémio internacional da Fundação Altran para a Inovação 2013. Este dispositivo foi concebido para manter o fígado em estado fisiológico até 24 horas e vai beneficiar do apoio de uma equipa de especialistas da Altran que, ao longo de um ano, irá fornecer assistência para melhorar o respetivo desempenho, no que concerne à preservação ativa e transporte de órgãos para cirurgia de transplante.

O metra oferece uma solução que mantém os fígados doados ‘vivos’, ao recriar as funções vitais do corpo humano. Situação que implica a regulação do fluxo sanguíneo e a composição bioquímica do órgão, ao mesmo tempo que controla outros parâmetros como a temperatura, pressão arterial, pH e as concentrações de oxigénio. O dispositivo mantém também a constante circulação de fluidos e monitoriza a produção de bílis, considerado um indicador chave no bom funcionamento do fígado.

O sistema foi igualmente desenhado tendo em conta as restrições de transporte, em termos de velocidade de reação a mudanças em diferentes condições climatéricas e de movimento de transporte, garantindo que os exigentes requisitos de fiabilidade sejam respeitados. O aparelho está também equipado com um sistema de energia autónoma, movida a bateria, e múltiplas soluções de recarga que apoiam o metra durante o transporte até ao centro de transplante.

Antes de candidatar o projeto a esta competição internacional, a Altran Reino Unido patrocinou os prémios Inovação IET – The Institution of Engineering and Technology, na categoria de sistemas inteligentes, nos quais nomeou a OrganOx como vencedora nacional. Consiste numa spin-out da Universidade de Oxford que concluiu recentemente o recrutamento para a sua primeira série de transplante clínico de fígado, como parte de um estudo clínico controlado, cujo produto será comercialmente lançado ao longo de 2014.

No segmento do transplante isolado de fígado, aproximadamente 1.300 órgãos são descartados cada ano na Europa e nos Estados Unidos da América, em grande parte devido a uma incapacidade de avaliação da função do órgão e dos potenciais riscos para o destinatário, resultantes dos processos de transporte e preservação. O progresso tecnológico do OrganOx metra torna possível manter órgãos doados o mais semelhante possível ao estado fisiológico, situação que abre caminho para outras aplicações, nomeadamente, o transplante de outros tipos de órgãos e novos tipos de intervenção terapêutica.


Membros do júri internacional do prémio Fundação Altran para a Inovação 2013 :

Jean Audouze: Presidente do júri da Fundação Altran para a Inovação; Presidente da Comissão francesa da Unesco e membro do conselho de administração da Fundação Altran para a Inovação.

Geert Maesmans (Bélgica): Diretor de tecnologia e inovação, Cargill Texturizing

Salvador Fortes Alba (Espanha): Conselheiro vocal na Direcção-Geral da Investigação Científica e Técnica

Stefano Consonni (Itália): Professor de sistemas para a energia e ambientes no Politécnico de Milão – Departamento de Energia da Faculdade de Engenharia Industrial

Gonçalo Moreira Rato (Portugal): Secretário Geral da Associação Portuguesa de Business Angels

Luc d’Auriol (Reino Unido): CEO da Metafora Biosystems e membro do conselho científico da Fundação Altran para a Inovação.

Imprimir