APDP assinalou 89 anos de apoio aos diabéticos com entrega do Prémio Ernesto Roma

Apenas 38% dos portugueses considera a atividade física como medida de prevenção da diabetes. Esta é uma das conclusões da sondagem sobre “O que sabem os portugueses sobre a diabetes”, da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal, realizada pela Marktest. Os resultados foram apresentados por João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP, na festa de celebração dos 89 anos da Associação, em que também foi entregue o Prémio Ernesto Roma.



Na sondagem realizada pela APDP, 96,9% dos portugueses afirmam conhecer ou já ter ouvido falar sobre diabetes e 88,4% consideram que a doença pode ser prevenida. Quanto à importância da alimentação saudável, 79,9% sabem que a mesma tem um impacto importante na evolução da diabetes e 38% mencionam o exercício físico.

Questionados sobre os problemas de saúde que mais se associam à diabetes, os inquiridos respondem cegueira (61%), pé diabético (25%) e acidentes cardiovasculares (19%). Analisando os locais onde os doentes se podem dirigir para acompanhamento, os centros de saúde e os hospitais são destacados por 67,7% e 43,4% das pessoas, respetivamente.

Ainda segundo a sondagem, a APDP é conhecida por 45,3% dos portugueses, embora 24% não saibam identificar as suas atividades. Dos que têm noção do papel da Associação, falam no apoio a pessoas com diabetes (63,8%), consultas e tratamentos (55,8%) e investigação (44,4%).

Em termos de regiões, no Litoral Centro é onde se encontram as pessoas que mais conhecem as atividades da APDP, enquanto no Litoral Norte se verifica a situação inversa.



Além da apresentação da sondagem, decorreu também uma homenagem a quem tem mais de 50 anos de diabetes, não tendo faltado igualmente, já na parte final da sessão festiva, alguns momentos de teatro e dança.



Ponto alto do evento foi a entrega do Prémio Ernesto Roma – Cuidados de Saúde Primários, a Cristina Afonso, enfermeira na USF Manuel Rocha Peixoto, e a Marta Ferreira, médica interna da USF São Lourenço. Ambas realizaram um estudo sobre a dificuldade da abordagem e referenciação nas USF de Braga nos casos de pé diabético.

O Prémio Ernesto Roma foi entregue por Vítor Virgínia, diretor-geral da MSD, e Fátima Nogueira, diretora do ACES de Lisboa Ocidental e Oeiras.

Filipe Prazeres, médico de família na UCSP Aveiro II, e Daniela Figueiredo, da Universidade de Aveiro, receberam uma Menção Honrosa pela investigação sobre a avaliação da qualidade de vida nas pessoas idosas com diabetes tipo 2.





Imprimir