Atrair jovens médicos para o Algarve «é uma questão de sobrevivência»

Joaquim Ramalho, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve (CHA), quer atrair jovens especialistas para o Algarve e afirma que criar condições aliciantes para os novos médicos é um “desígnio estratégico” da instituição que lidera.

“Se os médicos internos que hoje nos visitam decidirem vir para cá não se arrependerão e a região agradecerá. Para nós, é uma aposta estratégica atrair os mais jovens e é um terreno que queremos semear, até porque é também uma questão de sobrevivência”, disse o presidente do CHA na sessão de abertura das V Jornadas do Internato Médico do Algarve (JIMA), que decorreram em Faro, em instalações da Universidade do Algarve, entre os dias 29 de junho e 1 de julho.



O gestor hospitalar elogiou ainda o “ambiente muito estimulante” do evento “onde se prepara o futuro da medicina nacional”, reconhecendo que a região do Algarve tem de se desenvolver, de modo a acompanhar as necessidades da população a que presta cuidados.

“A formação e a investigação são um motor poderoso de desenvolvimento e nós queremos ser referência no SNS, assumindo um papel de relevo não só junto da população algarvia, mas alargando a nossa área de influência também à população de todo o Sul do País”, adiantou Joaquim Ramalho, frisando que só essa ambição poderá “quebrar o ciclo de subdesenvolvimento” instalado na região.



Nuno Bernardino Vieira, diretor do Internato Médico do CHA, concordou que estas Jornadas são já um "marco da formação na área médica do Algarve" e deixou igualmente o desejo de que possam trazer até esta zona do país mais especialistas qualificados.



“Dispomos de infraestruturas, temos muitos doentes e muito trabalho pela frente. Há vontade de crescer, por isso, contamos com a força dos internos para melhorar os cuidados de saúde da região e estamos de braços abertos para vos receber”, afirmou Nuno Bernardino Vieira.

As JIMA são “organizadas por e para internos”, assumindo a Comissão Organizadora tratar-se do "único evento do país a reunir internos de formação específica das especialidades hospitalares e dos cuidados de saúde primários". Tendo como objetivo a integração das várias especialidades médicas, tanto hospitalares como extra-hospitalares, o encontro oferece ainda aos participantes a possibilidade de conhecerem as várias especialidades disponíveis antes de fazerem a sua escolha.

Ana Sofia Moreira, vice-presidente das JIMA, reforçou que o evento tem vindo a ganhar dimensão e pretende demonstrar que no Algarve se pratica medicina de qualidade.



Já Pedro Alves, membro da organização e representante da Comissão de Internos de MGF do Algarve, destacou a singularidade do evento, que “integra cuidados de saúde a um nível transversal, englobando os cuidados de saúde primários e secundários, mas também regiões e caras de todo o país”.

A edição JIMA 2017 foi a mais participada de sempre, registando 300 inscritos, para além das seis dezenas de elementos que integraram a Comissão Organizadora. De destacar, relativamente ao programa, o tema da inovação e investigação em Medicina, ou a palestra subordinada ao tema “Futuro da Medicina”, que teve como orador o bastonário da Ordem dos Médicos.  

Miguel Guimarães seria também um dos protagonistas de um debate que teve lugar ao final da tarde de sexta-feira e que, para além do presidente do CA do CHA, teve a participação do presidente da ARS Algarve e de representantes dos sindicatos médicos, entre outros responsáveis.


Joaquim Ramalho, Sofia Rocha, Miguel Guimarães, Ana Sofia Moreira, José Sousa e David Dias.

Podem ser consultadas mais fotos das JIMA 2017 na Galeria de imagens.






Hospital Público é uma publicação da Just News, de periodicidade mensal, particularmente dirigida aos profissionais de saúde das unidades hospitalares do SNS, incluindo as de gestão privada.

seg.
ter.
qua.
qui.
sex.
sáb.
dom.

Digite o termo que deseja pesquisar no campo abaixo:

Eventos do dia 24/12/2017:

Imprimir