Serviço de Cardiologia dos HUC impulsiona «Coração no Centro»

É já esta sexta e sábado que se realiza, em Coimbra, o maior evento organizado por um serviço de Cardiologia a nível nacional, sublinha Mariano Pego, diretor do Serviço de Cardiologia A do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

O êxito desta reunião tem vindo a crescer de forma progressiva, tendo registado, o ano passado, 590 presenças, sendo uma consequência do dinamismo e espírito de equipa que o responsável tem procurado promover desde que assumiu a direção do serviço, em 2012. Por outro lado, é um reflexo da importância que é dada à formação.


Elementos do Serviço de Cardiologia A do CHUC

"Estágios são fundamentais na formação dos médicos"

“O ensino e a formação pré e pós-graduada inerente a uma unidade deste tipo são mais-valias fundamentais para quem aqui trabalha”, menciona o responsável, salientando:

“Como se depreende, as vantagens que advêm desta combinação são enormes, mas obriga-nos a um esforço suplementar para poder acompanhar a contínua evolução da Medicina Cardiovascular.”



O Serviço recebe continuamente médicos de MGF, sendo a duração do estágio de, habitualmente, dois meses. Na opinião de Mariano Pego, “estes estágios são fundamentais na formação dos médicos que vão ser os responsáveis pelos cuidados de saúde primários, onde prevenir poderá ser até mais importante do que tratar”.

O Serviço recebe também médicos do Internato Comum, internos de Cardiologia e de outras especialidades (Medicina Interna, Anestesiologia, Medicina Nuclear, Cirurgia Cardíaca, por exemplo), sendo as áreas mais procuradas a UTICA, UCIC, Imagem – RM, Angio TAC, CPM, angiografia de radionuclidos (ARN), tomografia por emissão de positrões (PET) e Eco –, Pacing e Eletrofisiologia.


Mariano Pego com dois médicos internos (Luís Amaral - USF Serra da Lousã, e Joana Mortágua - UCSP Montemor-o-Velho) de formação específica de MGF, que realizaram um estágio de dois meses no seu serviço.

Reunião revitalizada

A reunião anual do serviço é já realizada há 18 anos, sendo esta a 5.ª edição sob o lema "Coração no Centro". Mariano Pego recorda que, "com a colaboração dos colegas, resolvemos modificar o figurino das reuniões anuais do nosso Serviço, que, embora excelentes sob o ponto de vista científico, atraíam um número pouco expressivo de participantes".

Desta forma, explica que "passámos a escalpelizar apenas um tema por Reunião. Iniciámos, em 2013, com a insuficiência cardíaca, depois, em 2014, prosseguimos com a doença isquémica cardíaca, em 2015, com as arritmias e, em 2016, com as valvulopatias."

E sublinha: "Passámos de reuniões com cerca de cento e tal participantes para mais de 500. A última reunião teve a participação de 590 congressistas."

O médico refere ainda que, no dia anterior à reunião Coração no Centro, é realizado todos os anos um curso pré-congresso, "destinado sobretudo à Medicina Geral e Familiar, internos de cardiologia, Medicina Interna, etc. Em 2016 tivemos 170 participantes neste curso."


Reunião da equipa

Componente pluridisciplinar


Em declarações à Just News, o presidente do Colégio da Especialidade de Cardiologia da Ordem dos Médicos salienta a importância "da abordagem e tratamento da doença cardiovascular ser pluridisciplinar".

É nesse sentido que, todos os anos, a reunião junta igualmente cardiologistas pediátricos, cirurgiões cardíacos, internistas, endocrinologistas, neurologistas e especialistas em Medicina Geral e  Familiar.

Relativamente a esta edição, Mariano Pego adianta que serão abordados "temas quentes em Cardiologia, englobando também a Cardiologia Pediátrica, o que até aqui nunca tinha acontecido, mas que julgamos fazer todo o sentido".



A atividade científica e de investigação clínica é também parte integrante e de notoriedade do Serviço, representando, segundo Mariano Pego, “certamente, um caminho sólido para a excelência em Cardiologia”.



O programa da reunião "Coração no Centro" 2017 pode ser consultado aqui.



Imprimir