Cardiologistas debatem os benefícios e potencialidades da dieta mediterrânica

No âmbito do Congresso Português de Cardiologia, que começou hoje e decorre até dia 29 de abril, no Palácio de Congressos do Algarve, realizou-se, neste primeiro dia, uma sessão conjunta da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e da Fundação Portuguesa de Cardiologia, que permitiu reforçar os laços existentes entre as duas entidades.

Um dos temas abordados nesta sessão conjunta - a dieta mediterrânica, foi igualmente o tema escolhido para o número um da renovada Revista Factores de Risco, publicação editada pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia e lançada muito recentemente. Esta primeira edição conta com o apoio editorial da Fundação Portuguesa de Cardiologia.

Além da dieta mediterrânica, classificada, no final do ano passado, como Património Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas, foram também abordadas nesta reunião conjunta as novas recomendações americanas de prevenção cardiovascular, a alteração de estilos de vida e o valor epidemiológico dos rastreios na comunidade.

Congresso Português de Cardiologia realiza-se sob o tema "Dos limites da ciência ao estado da arte". De acordo com Graça Castro, presidente do Congresso, a escolha do tema surgiu "a partir de uma troca de ideias dentro da própria Direção da SPC. A intenção é estimular a reflexão sobre o conhecimento atual em Cardiologia e a discussão sobre as suas áreas de fronteira, que são quase sempre as que trazem maiores desafios, ao mesmo tempo queremos sublinhar este equilíbrio necessário entre o conhecimento e o saber fazer bem."

Imprimir