Cerimónia do Dia do Médico e entrega do prémio Daniel Serrão 2015

No âmbito das comemorações do Dia do Médico, assinalado todos os anos a 18 de junho, a Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos (SRNOM) vai atribuir amanhã, às 21h30, no Salão Nobre do Centro de Cultura e Congressos da SRNOM, o prémio Daniel Serrão a Inês Carneiro, a melhor aluna da região Norte. Serão ainda distinguidos os médicos inscritos na SRNOM, que completam 25 e 50 anos de filiação na Ordem dos Médicos. A sessão contará com a intervenção do Bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos.

O prémio Daniel Serrão, no valor monetário de 1250 euros, constitui "mais um estímulo simbólico para a formação médica em Portugal e, em particular, no norte do país", esclarece o presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos (CRNOM). Miguel Guimarães recorda que "são muitos os jovens que estão a fazer a sua formação em Medicina e que ainda antes de chegarem ao mercado de trabalho já colocam como primeira hipótese a emigração".

"Num país de recursos limitados como é Portugal, não nos podemos dar ao luxo de todos os anos ´atirar` pela janela milhares de euros na formação de jovens médicos que depois não têm condições ou motivação para exercerem em Portugal", salienta o responsável da Ordem dos Médicos do Norte.

Miguel Guimarães recorda que "cada estudante de medicina custa em média cem mil euros ao País” e defende que "é urgente apoiar e estimular os jovens estudantes de Medicina e médicos, e criar condições para que seja possível contar com eles no presente e no futuro. Só assim, acrescenta, "é possível manter a qualidade da Medicina e do SNS e resolver as necessidades do País”.

Homenagear os médicos que ajudam o SNS a ser "uma referência a nível internacional"

Explica a SRNOM que o Dia do Médico "é também um momento de celebração e homenagem aos médicos que, nas últimas décadas, ajudaram a fazer do Serviço Nacional de Saúde uma referência a nível internacional". Desta forma, serão distinguidos os médicos que completaram 50 ou 25 anos de inscrição na Ordem dos Médicos.

De acordo com o presidente do CRNOM, "num momento em que os médicos são tão mal tratados pela tutela, é ainda mais importante realçar e reconhecer publicamente o seu papel essencial na sociedade civil e a sua importância nuclear na evolução da Medicina e na Formação Médica em Portugal".

"Ao longo de uma vida, estes profissionais foram a trave mestra do Serviço Nacional de Saúde, fazendo com que os melhores cuidados médicos possíveis chegassem ao maior número de pessoas, muitas vezes em contexto extremamente adverso", salienta Miguel Guimarães.

Imprimir