Diretor da FMUL pede aos novos médicos que não ignorem a componente humanista da Medicina

Fausto Pinto, diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), aconselhou, esta segunda-feira de manhã, os novos estudantes de Medicina a dar primazia à componente humanista no exercício da profissão. O discurso teve lugar durante a cerimónia do Dia da Faculdade de Medicina, evento que incluiu o juramento de Hipócrates dos alunos do 1.º aluno, sessão de homenagens e a entrega da Medalha de Ouro à instituição por parte do Ministério da Saúde.



“Diariamente, a nossa vida é influenciada pela inovação tecnológica. Também na Medicina esta é uma época fascinante para se viver, mas que nos pode conduzir ao esquecimento da componente humanista da Medicina”, referiu Fausto Pinto, sugerindo “a primazia da relação médico-doente, a importância do contacto humano, do ouvir, do tocar no doente”, que considerou como pilares essenciais da atuação médica e que “nenhuma tecnologia jamais substituirá”.

No discurso que marcou a receção dos futuros médicos “à maior faculdade portuguesa e a uma das maiores comunidades académicas europeias e mundiais”, o diretor da FMUL pediu aos estudantes para encararem o presente e o futuro com otimismo e esperança, para uma prática saudável e moderna da Medicina. “Este é o nosso e o vosso desafio”, afirmou.



Fausto Pinto elogiou ainda o apoio dado pela administração do hospital universitário, considerando que o “diálogo franco” com a Faculdade muito tem contribuído para os bons resultados ao nível do ensino e da investigação.

O Dia da Faculdade de Medicina marca também a constituição da Associação para o Desenvolvimento do Centro Académico de Medicina de Lisboa e a inauguração da mostra “Cuidar e Curar”, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.




Imprimir



Siga-nos no Instagram