A importância da reabilitação cardíaca na Medicina Física e de Reabilitação

Nos últimos anos tem existido uma maior noção da importância da reabilitação no doente cardíaco, tendo em conta o aumento das doenças cardiovasculares, afirma Ana Abreu, coordenadora do Grupo de Estudos de Fisiopatologia do Esforço e Reabilitação Cardíaca (GEFERC) da Sociedade Portuguesa de Cardiologia. A responsável falou à Just News no decorrer do XVI Congresso da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação, que decorre até sábado, no Hotel Cascais Miragem.

Ana Abreu falou da importância da reabilitação cardíaca num workshop sobre “Exame clínico cardiorespiratório”, coordenado por Catarina Aguiar Branco, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação (SPMFR) e responsável pelo evento.



“Este workshop, que se insere num Congresso, cuja temática assenta na tecnologia em MFR, é essencial para dar a conhecer aspetos mais técnicos da Cardiologia a quem trabalha na MFR e também ajuda os cardiologistas a terem uma noção mais concreta de MFR.” Para Ana Abreu, este trabalho de partilha de conhecimentos, multidisciplinar, “é a única forma de melhorar os cuidados de saúde prestados à população”.

A especialista falou da sua experiência e das dificuldades que podem surgir em exames como o ECG, o doppler ou a prova de esforço, entre outros aspectos específicos do exame cardiorespiratório.

Para o futuro, espera que se mantenha a multidisciplinaridade e o interesse na reabilitação cardíaca, “que tem aumentado nos últimos anos”.

Imprimir