«Há vida após um diagnóstico de Cancro!»

De forma a assinalar o Dia Mundial da Luta contra o Cancro, o Hospital da Luz Lisboa (HLL) decidiu este ano convidar Marine Antunes, sobrevivente de cancro, para partilhar a sua perspetiva de falar sobre o "cancro com humor".

Esta sua abordagem deu mesmo origem a um projeto, criado em 2013, com objetivo de mostrar que “há vida após um diagnóstico de cancro!” e que é possível "ser-se feliz no caos" e falar da doença sem uma linguagem pessimista.



Numa, sessão presencial e virtual, a palestrante motivacional explicou que sempre recorreu ao humor como seu aliado para comunicar, considerando-o “a melhor ferramenta para desmistificar e sensibilizar”.

Marine Antunes, que tem acompanhado vários doentes ao longo dos anos, reconheceu que “é maravilhoso as pessoas perceberem que é possível passar por isto com tranquilidade”, sublinhando: “Não é preciso ser um bicho de sete cabeças e o pior dia da nossa vida. Pode ser apenas uma fase."



Marine Antunes 

Nutrição e fisioterapia

A sessão contou ainda com a presença da fisioterapeuta Ana Catarina Bernardo e da nutricionista Mónica Santos, ambas especialistas do HLL que falaram sobre o mote “a nutrição e a fisioterapia como aliados na luta contra o cancro”.

Na sua intervenção, Mónica Santos falou sobre a importância da alimentação no combate ao cancro referindo que "só se reconhece evidência científica na dieta mediterrânea", sendo outras formas de alimentação, - como a dieta citogénica e o jejum intermitente -, menos recomendáveis em doentes oncológicos. Fez ainda a ressalva de que cada caso deve ser avaliado previamente.


Mónica Santos

“É essencial fazer uma identificação do risco nutricional prévia. É uma estratégia que não deve ser individual da própria pessoa, mas sim dos profissionais que acompanham o processo”, referiu em declarações à Just News.

Em seguida, Ana Catarina Bernardo, especialista em drenagem linfática manual, falou sobre as principais cirurgias em casos de cancro da mama e sobre o papel pós-cirurgia dos fisioterapeutas.

“O ideal é que a intervenção fisioterapêutica seja precoce, logo após a radioterapia e a cirurgia, mesmo sem sintomas”, explicou.


Ana Catarina Bernardo

A especialista frisou também que a sua ação na reabilitação do doente com cancro passa pela prevenção de problemas físicos pós-cirurgia como o linfedema “do membro superior homolateral à cirurgia, o principal problema neste momento”, mas também de problemas mentais. “Nos nossos gabinetes os doentes também desabafam connosco”.

A sessão do Dia Mundial da Luta contra o Cancro do Hospital da Luz Lisboa ocorreu a 4 de fevereiro e juntou 80 participantes. A abertura ficou a cargo da enfermeira responsável do Centro de Oncologia do HLL, Graça André, e da Oncologista Mónica Nave em serviço no mesmo hospital.


Monica Santos, Monica Nave, Ana Catarina Bernardo, Marine Antunes, Graça André

Imprimir