Hospitais: «falta de recursos humanos» atrasa resposta em Dermatologia

A parceria entre médicos dermatologistas e de Medicina Geral e Familiar (MGF) tem evoluído, mas “ainda falha a resposta nos hospitais, por falta de recursos humanos”, referiu à Just News Marisa André, dermatologista e presidente executiva das 9.as Jornadas de Dermatologia e Dermocosmética em Medicina Familiar, que tiveram o apoio científico da Clínica Laser de Belém.

Numa sala cheia do Teatro Armando Cortez, em Lisboa, especialistas em Dermatologia e Venereologia e médicos de família reuniram-se para trocar experiências e dúvidas sobre os problemas que afetam a pele, quer por motivos de imagem como por doença.



A falta de profissionais para uma resposta mais rápida no Serviço Nacional de Saúde tem repercussões negativas, segundo Marisa André. “Uma grande fatia da população portuguesa não tem condições socioeconómicas que permitam a ida ao médico dermatologista no setor privado”, garantiu.

Apesar de ainda haver muito trabalho a fazer, “foram desenvolvidos projetos no terreno de grande qualidade, que incluem a teledermatologia, além de os médicos de família apresentarem cada vez mais competências nesta área”, indicou.



Marisa André sublinhou que a incidência de alguns problemas de pele, como as toxidermias, está a aumentar nos últimos anos. “É uma situação clínica que decorre da reação a determinados medicamentos e que não deve ser considerada de menor importância, pois, existem alguns subtipos muito graves”, justificou. Para a especialista, o aumento de novos casos de toxidermia deve-se, sobretudo, ao envelhecimento da população. Como referiu, “os mais velhos estão, em regra, polimedicados, daí que esta situação clínica surja com mais regularidade”.



O evento teve como presidente honorário Luiz Leite e como secretário-geral Pedro de Moura Reis.




Imprimir