Infarmed divulga estudo que compara custos médios de tratamento entre Portugal e outros países europeus

O INFARMED – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde acaba de divulgar um estudo onde são comparados os custos médios de tratamento entre Portugal e outros países europeus. Uma das conclusões indica que o custo médio de tratamento em Portugal está abaixo da média dos 8 países analisados para todos os casos clínicos.

O objetivo do estudo foi o de analisar a evolução dos preços em Portugal, entre 2010 e 2014, bem como, comparar esses valores com os custos de tratamento desses casos específicos, tendo em conta o preço máximo dos diferentes cabazes de medicamentos noutros países da União Europeia (Espanha, França, Eslováquia, Noruega, Itália, Reino Unido, Dinamarca e Eslovénia).

Para efeitos de comparação com os países de referência e outros países europeus, utilizou-se como fonte de dados a base de preços de medicamentos EURIPID, bem como os sites oficiais dos países de referência. A comparação entre Portugal e os restantes países apenas foi feita tendo em conta o preço total dos diferentes cabazes de medicamentos, não tendo sido possível o cálculo dos encargos dos doentes nos outros países por inacessibilidade a dados suficientes relativos aos regimes de comparticipação aplicáveis nos países selecionados

Para o estudo foram considerados 4 casos clínicos diferentes:

Caso nº1:
Criança de 7 anos, sexo masculino, raça caucasiana com asma e rinite alérgica diagnosticadas aos 4 anos, medicada com montelucaste 5mg 1x/dia; fluticasona inalador pressurizado com câmara expansora 125mcg 1 inalação 2x/dia; salbutamol inalador pressurizado com câmara expansora 100mcg 2 inalações em SOS; desloratadina solução oral 2,5mg por dia; mometasona spray nasal 1 pulverização em cada narina 1x/dia.

Caso nº2:
Grávida de 32 anos, raça caucasiana, no 1º trimestre de gravidez, com diagnóstico de cistite não complicada, medicada com ácido fólico 5mg 1x/dia; iodeto de potássio 200mcg 1x/dia; fosfomicina 3000mg toma única.

Caso nº3:
Doente de 55 anos, sexo masculino, raça caucasiana, com diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial e dislipidémia, medicado com metformina 1000mg 2x/dia; ramipril 5mg 1x/dia; amlodipina 5mg 1x/dia; sinvastatina 40mg 1x/dia.

Caso nº4:
Doente de 76 anos, sexo feminino, raça caucasiana, com diagnóstico de doença pulmonar obstrutiva crónica, hipertensão arterial, gonartrose bilateral, fibrilhação auricular, insuficiência cardíaca, apneia do sono, obesidade e depressão major, medicada com associação de budesonida+formoterol turbohaler 320/9mcg 1 inalação 2x/dia; brometo de tiotrópio solução para inalação por nebulização 2,5mcg 2 inalações/dia; paracetamol 1000mg 3x/dia; tramadol comprimidos de libertação prolongada 100mg 2x/dia; varfarina 5mg 1cp/dia; ramipril 10mg 1x/dia; bisoprolol 5mg 1x/dia; furosemida 40mg 2x/dia; espironolactona 25mg 1x/dia; auto-CPAP durante o sono; sertralina 100mg 1x/dia


Conclusões
Do estudo conclui-se que o custo médio de tratamento diário em Portugal baixou bastante desde 2010 nos 4 casos clínicos apresentados. A redução de preços observada deveu-se às revisões anuais de preços de medicamentos de marca, ocorridas desde 2010 até 2014 e às regras de comparticipação de medicamentos genéricos, que provocam uma rápida redução de preços máximos, assim como, à entrada no mercado, de medicamentos genéricos comparticipados, com preços mais baixos, que substituem a utilização dos medicamentos de marca nos tratamentos.
Verifica-se também que o custo médio de tratamento em Portugal está abaixo da média dos restantes países analisados.

Este estudo encontra-se disponível para consulta no sítio do Infarmed aqui.

Imprimir