Investigador do CNC recebe Prémio Pulido Valente Ciência 2013

O investigador Tiago Santos foi o vencedor do Prémio Pulido Valente Ciência 2013 e vai receber o galardão, no valor de 10 mil euros, na próxima terça-feira, dia 11 de março, pelas 15h00, no Palácio das Laranjeiras, em Lisboa. A pesquisa premiada foi desenvolvida no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) e foi publicada na revista ACS Nano.

O trabalho descreve a aplicação de nanopartículas contendo ácido retinóico encapsulado como uma estratégia inovadora e eficaz na indução da diferenciação de células estaminais cerebrais em novos neurónios, abrindo novas perspetivas para o tratamento de lesões cerebrais e doenças neurodegenerativas.

De acordo com o investigador, «as células estaminais são uma fonte inesgotável de novas células com enorme potencial para a regeneração de tecidos, o que pode ser utilizado em estratégias de reparação cerebral. Contudo, ainda não foi encontrada a forma mais eficaz de controlar o processo de diferenciação destas células. O trabalho publicado descreve a aplicação de nanopartículas contendo ácido retinóico encapsulado como uma estratégia eficaz para induzir a diferenciação de células estaminais do cérebro em novos neurónios. Embora as terapias de reparação celular no cérebro Humano tenham ainda um longo caminho a percorrer, a formulação desenvolvida apresenta grandes vantagens e abre novas perspetivas para o tratamento de lesões cerebrais e doenças neurodegenerativas».

O Prémio Pulido Valente Ciência, criado em conjunto pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pela Fundação Professor Francisco Pulido Valente (FPFPV), visa distinguir o melhor trabalho publicado no domínio das Ciências Biomédicas, que descreva a pesquisa executada por investigadores, com idade inferior a 35 anos, em laboratórios nacionais.

O júri da edição de 2013 foi constituído por Arsélio Pato de Carvalho (Centro de Neurociências e Biologia Celular, Universidade de Coimbra), Zachary Mainen (Fundação Champalimaud), Nuno Sousa (Instituto de Ciências da Vida e da Saúde, Universidade do Minho), Catarina Oliveira (Centro de Neurociências e Biologia Celular, Universidade de Coimbra, em representação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia) e João Monjardino (Professor Jubilado, Universidade de Londres, em representação da Fundação Francisco Pulido Valente).

Imprimir