Investigadora do Ipatimup conquista prémio da associação "No Stomach for Cancer"

Carla Oliveira, investigadora do Ipatimup, ganhou um prémio de 50 mil dólares, atribuído pela associação de doentes "No Stomach for Cancer". O projeto foi realizado em conjunto com David Hunstsman, do British Columbia Cancer Agency, no Canadá.

"Trata-se de um projeto unificador, porque contactámos grande parte dos investigadores de todo o mundo desta área e convidámo-los a participar com famílias sem causa hereditária conhecida. Mais de 20 grupos de investigação colaboraram e obtivemos cerca de 500 famílias de todo o mundo", explica Carla Oliveira, líder do grupo de investigação Regulação da Expressão em Cancro, que procura identificar alterações genéticas do cancro de estômago familiar.

O objetivo da associação, que pela primeira vez atribuiu um prémio deste valor, era financiar um projeto de investigação com potencial para melhorar a vida das pessoas afetadas pelo cancro do estômago. Os avaliadores escolheram o projeto apresentado por Carla Oliveira e David Hunstsman, em parceria com o International Gastric Cancer Linkage Consortium (IGCLC), designado "Defining the Contribution of Mutations in CDHI Non-Coding Regions and Other Known Susceptibility Genes to Hereditary Gastric Cancer".

Para a investigadora Carla Oliveira, este prémio significa um reconhecimento internacional dos pares, porque todos os avaliadores trabalham nesta área. Já a vice-presidente do Ipatimup para a área da Ciência, Raquel Seruca, diz sentir-se "muito orgulhosa por uma das investigadoras do Instituto ter conseguido conquistar este prémio. Não tanto pela parte financeira, mas pelo prestígio e pela internacionalização do seu trabalho".

A associação de doentes "No Stomach for Cancer" dedica-se a apoiar investigação científica inovadora que promova a compreensão do cancro gástrico e melhore a deteção, o tratamento e a qualidade de vida de pacientes com cancro do estômago.

Imprimir