Jubilação do psiquiatra Daniel Sampaio juntou várias gerações de médicos, mas também alunos e amigos

O diretor da FMUL entregou a Daniel Sampaio a medalha que assinala o culminar de uma carreira pública iniciada em 1976. Centenas de colegas, ex-alunos, amigos e até ex-presidentes encheram por completo o Auditório Egas Moniz para testemunhar a jubilação do psiquiatra, esta quarta-feira.



Fausto Pinto apresentou-o como “um exemplo” e classificou o seu percurso de “invejável”, por influenciar o futuro da Psiquiatria em Portugal. Quanto à cerimónia, considerou-a “uma excelente oportunidade de reflexão” sobre um professor que marcou um período “muito importante para a nossa escola”.

Daniel Sampaio aceitou o convite que entretanto lhe foi feito por Fausto Pinto para continuar a coordenar, depois da jubilação, o projeto da dinamização de um espaço em que os alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa procuram ajuda profissional para o seu bem-estar diário.



Com uma audiência onde estavam presentes várias gerações, Daniel Sampaio conduziu uma lição sobre o caminho que percorreu, desde as influências da infância, a sua passagem pelo Hospital de Santa Maria e o progresso até à terapia familiar, o facto de o seu nome ter sido dado a uma escola e as suas presenças na comunicação social.


Durante a aula onde recordou toda a sua vida profissional, Daniel Sampaio não deixou de dirigir um agradecimento muito especial à sua professora de Filosofia, Maria Luísa Guerra, presente na cerimónia. “Apresentou-me a filosofia de uma forma completamente inesperada para a época”, disse, reconhecendo que foi quem o incentivou “a seguir Psiquiatria”.

O secretário de Estado adjunto da Saúde, Fernando Araújo, também esteve presente, tendo usado da palavra para sublinhar que Daniel Sampaio “nunca faltou” às responsabilidades para com o seu país, desenvolvendo as suas colaborações com os ministérios da Educação e da Saúde, que pediu para que continuasse a assegurar no futuro.

 

Quarenta anos de carreira

 

Daniel Sampaio, irmão do ex-presidente da República Jorge Sampaio, licenciou-se em Medicina e fez o seu Doutoramento em Psiquiatria na mesma instituição, a Faculdade de Medicina de Lisboa, onde se tornou professor catedrático. Foi até este ano diretor do Serviço de Psiquiatria do Hospital de Santa Maria (CHLN). Tem cerca de três dezenas de livros publicados, o mais recente dos quais intitulado Sala de Espera.

Foi grande responsável pela introdução da terapia familiar em Portugal, tendo sido fundador da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar. Esteve também envolvido na criação de várias fundações científicas, como o Núcleo de Estudos do Suicídio, o Núcleo de Doenças do Comportamento Alimentar ou a Sociedade Portuguesa de Suicidologia.  




Carlos Martins, Daniel Sampaio e Fausto Pinto.




Daniel Sampaio e Maria Luísa Guerra.



Podem ser consultadas mais fotos na Galeria de imagens.

Imprimir



Siga-nos no Instagram