Políticas a longo prazo reduzem incidência de casos de cancro e diabetes

A obesidade, diabetes e cancro previnem-se muito mais do que se curam e só com um plano político a médio-longo prazo se pode atuar com eficácia na redução do número de casos (para metade, no caso da diabetes). O alerta foi deixado pelo professor Manuel Sobrinho Simões na última reunião do Ciclo de Conferências "Diabetes Século XXI: O Desafio", que decorreu ontem, no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup).

No cancro, como na diabetes, é preciso conhecer a doença para combater o seu aparecimento e os riscos inerentes. "A prevenção do cancro é praticamente idêntica à da diabetes: – passa por não fumar, não beber em excesso, não engordar, fazer exercício regular, entre outros. As doenças civilizacionais e emergentes, como é o caso da diabetes, da obesidade, do cancro, entre outras, previnem-se muito mais do que se curam", referiu Manuel Sobrinho Simões, diretor do Ipatimup, lembrando que é preciso "articular as instituições que intervêm ou podem intervir na Prevenção, no Tratamento e no Controlo da Diabetes".

Sobrinho Simões identifica outras melhorias necessárias em matéria de comunicação e de operacionalidade: "clarificar o tipo e o nível de intervenção das instituições (frequentemente há dupla ou tripla intervenção no tratamento); falta de articulação do médico com os outros profissionais que cuidam dos doentes; relação do médico (e de outros profissionais de saúde) com a pessoa com diabetes e a família - há ´barreiras` de ignorância entre o médico e o doente e entre o médico e os familiares do doente; articulação entre as especialidades médicas – ex. diabetologista e cirurgião vascular". E acrescenta: "não chega falar de intervenção multidisciplinar, interdisciplinar e interinstitucional. É preciso operacionalizar através de ações concretas".

Na mesma linha, o diretor do Programa Nacional da Diabetes diz que é importante atuar o quanto antes. José Manuel Boavida defende que "a Assembleia da República devia ter uma intervenção direta sobre as prioridades da saúde, uma questão que deveria ser acompanhada dentro do próprio parlamento. É fundamental fazer planos de prevenção: 50% dos casos de diabetes estão ainda por diagnosticar. É preciso avançar com planos de prevenção e aplicar programas vastos de rastreio".

Imprimir



Siga-nos no Instagram