CH Tondela-Viseu: Serviço de Medicina quer avançar com hospitalização domiciliária

1/3 das camas do Serviço de Medicina do Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV) estão ocupadas por doentes vindos de lares e de unidades de cuidados continuados que não necessitam de estar internados, afirma António Monteiro, responsável pelo Serviço. 

Para solucionar este problema, está a desenvolver um projeto para internamento hospitalar no domicílio que será apresentado à Administração ainda no primeiro semestre de 2017.

“Para mim, não é pacífico que se tenha de internar um doente a quem é diagnosticada uma infeção urinária por uma bactéria que só é sensível a um antibiótico hospitalar”, afirma, desenvolvendo que em situações como esta faz sentido que haja uma equipa que se desloque a casa do doente duas a três vezes por dia para fazer a administração do antibiótico.

Desta forma, refere, “facilitamos também a vida às próprias famílias, que evitam sair de casa para vir visitar os seus familiares”, além de se reduzir o perigo de infeção hospitalar.



Na sua opinião, a implementação deste projeto implicará todo um processo de sensibilização quer dos profissionais, quer da população. Serão necessários, também, mais alguns médicos, enfermeiros e um assistente social.

Serviço investe na diferenciação em diversas áreas

Em entrevista à Just News, que pode ser lida na próxima LIVE Medicina Interna, no âmbito de uma reportagem sobre o Serviço de Medicina do CHTV, António Monteiro salienta que a equipa que coordena é "jovem e dinâmica, com vontade de trabalhar” onde, além da atividade assistencial, as vertentes de investigação científica e de ensino pré e pós-graduado também fazem parte da sua missão.



“Além dos internos do Internato Complementar de Medicina Interna, o Serviço dá formação a internos do Internato Complementar de outras especialidades – Cardiologia, Pneumologia, Gastrenterologia, Medicina Física e de Reabilitação –, do Ano Comum e a alunos de Medicina”, conta o responsável.

Além da Unidade de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e da Unidade de Diabetes, às quais estão alocados vários internistas que se têm diferenciado nestas áreas, no Serviço de Medicina do CHTV há médicos que se dedicam a diversas áreas, nomeadamente às doenças autoimunes, à hipertensão arterial, à aterosclerose, às dislipidemias e à osteoporose.



Há ainda um internista alocado ao Serviço de Ortopedia para acompanhar os doentes internados, um que dá apoio ao Serviço de Psiquiatria, outro que está ligado à Consulta de Oncologia, dois à Consulta de Hepatologia e mais dois à Consulta de Obesidade.

Quando há necessidade, o Serviço solicita igualmente consultadoria a outras especialidades. António Monteiro está também a esforçar-se para que haja no Serviço elementos que se diferenciem em técnicas.



“Quero incutir na equipa forma de os internistas evoluírem não só teoricamente, mas também tecnicamente, conseguindo dominar algumas técnicas como, por exemplo, o ecodoppler, evitando que os doentes sejam transferidos para outras unidades.”




A reportagem completa sobre o Serviço de Medicina do Centro Hospitalar Tondela-Viseu pode ser lida na próxima edição de LIVE Medicina Interna. Além do seu diretor desenvolver vários outros temas, são igualmente entrevistados outros especialistas:
- Ana Gomes, coordenadora da Unidade de AVC;
- Edite Nascimento, coordenadora da Unidade de Diabetes;
- Cláudia Martins, coordenadora da Consulta de Doenças Autoimunes Sistémicas.



Imprimir