UHDC lança campanha para evitar o encerramento do Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico

A União Humanitária dos Doentes com Cancro (UHDC), associação que presta serviços gratuitos a doentes oncológicos carenciados, está a promover uma campanha de angariação de fundos, com o propósito de obter donativos em prol da luta contra o cancro que permitam superar o seu saldo negativo e evitar o encerramento do Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico.

Segundo Cláudia Costa, porta-voz da UHDC, “A UHDC não foi excepção à crise que tem vindo a afectar Portugal. Em consequência da redução dos donativos que as pessoas e empresas fazem, vemo-nos agora numa situação delicada onde a hipótese de encerrar algumas valências passa a ser cada vez mais real”. A porta-voz da UHDC faz um apelo: “a Associação sobrevive exclusivamente de donativos, só com o sucesso desta campanha conseguimos continuar a ajudar milhares de doentes oncológicos carenciados e evitar o encerramento do Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico e da Linha Contra o Cancro”.

O cancro é a segunda causa de morte no nosso país e a primeira no grupo etário entre os 35 e os 64 anos. Estima-se que as taxas de cancro podem aumentar cerca de 20 por cento, até 2020.

Como ajudar?
A UHDC indica que os donativos podem ser depositados nos balcões do Montepio, ou enviados através do Multibanco, por transferência, para o NIB: 003602169910007736322. De cada donativo recebido será emitido o correspondente recibo, que será enviado a quem o solicitar, nomeadamente, através de telefone ou do e-mail: uhdc@netcabo.pt.

Sobre a União Humanitária dos Doentes com Cancro
A União Humanitária dos Doentes com Cancro é uma Associação Humanitária, de Solidariedade Social e de Beneficência, sem fins lucrativos. Fundada em 7 de abril de 1999, Dia Mundial da Saúde, com o lema "Quanto mais olharmos o cancro de frente, mais ele se afasta de nós", a União tem como primeiro objetivo apoiar os doentes com cancro e seus familiares, mediante a prestação de diversas valências de apoio, inteiramente gratuitas, beneficiando assim milhares de doentes com cancro mais carenciados.

Imprimir