Jornal do 23.º Congresso Nacional de Medicina Interna (26 de maio)

Luís Campos, presidente da SPMI, considera que “os decisores não têm plena consciência do privilégio que Portugal tem de ter esta Medicina Interna tão pujante e em ter estes internistas com tanta qualidade”. Para além disso, “ao contrário de muitos países, soubemos preservar o caráter generalista da Medicina Interna e somos a especialidade nuclear mais numerosa nos hospitais”.

Imprimir