Jornal Médico 24 - abril 2015

Com o intuito de acabar com as velhas práticas dos centros de saúde, a começar pelas longas listas de espera, foi criada em 17 de dezembro de 2007 a USF Espinho (ACES Espinho/Gaia). Pretendeu-se também melhorar o conceito de atendimento, a acessibilidade e, sobretudo, qualificar a prestação de cuidados.

“No princípio, as pessoas estranharam, mas penso que no aspeto organizacional houve muitos ganhos – foi possível prestar melhores cuidados e sem tanto esforço da equipa”, admite, em entrevista, Pedro Oliveira, médico de família e coordenador da USF Espinho desde janeiro de 2015, reconhecendo que, com a criação deste modelo, as listas de espera quase deixaram de existir.




Imprimir