Jornal do CONVÉNIO da ASTOR/22as Jornadas da Unidade de Dor do Hosp. Garcia de Orta

“A dor é a causa major de sofrimento e de incapacidade, sendo a crónica aquela que mais compromete a qualidade de vida. A sua prevalência é de tal forma elevada que a torna numa doença invisível.” Quem o diz é Beatriz Craveiro Lopes, presidente das 22.as Jornadas da Unidade Dor do Hospital Garcia de Orta / Convénio ASTOR 2015.

Na sua opinião, nem todos os hospitais portugueses com unidades de dor bem diferenciadas têm todas as técnicas ao dispor do doente. Porém, “fruto do empenho dos profissionais de saúde”, vão sendo realizadas técnicas mais especializadas, com equipamentos adquiridos em regime de mecenato e com os novos fármacos disponíveis no mercado.

Rui Costa, presidente da ASTOR, menciona que estas Jornadas se pautam pelas mesmas linhas orientadoras das dos anos anteriores: discutir a prevenção e tratamento da dor aguda e crónica.

“É graças a todos vós, ‘artífices’ deste encontro, que o estudo e tratamento da dor avança em Portugal. Como habitualmente, na última sexta-feira de janeiro, sentimo-nos mobilizados para o Convénio ASTOR, um acontecimento de referência na comunidade algológica portuguesa”, afirma.

Imprimir