Diabetes no hospital: Internistas vão «assumir o papel de doentes» e atualizar conhecimentos

“Tratamento da diabetes no hospital” é o tema do curso que se vai realizar nos dias 25 e 26 de novembro, no Centro de Formação em Medicina Interna (FORMI). Anabela Barros, a coordenadora, sublinhou o caráter prático da formação organizada pelo Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), na qual os formandos irão “assumir o papel de doentes”.

Anabela Barros, que é internista dos SAMS, explicou à Just News que este curso dirigido a internos e especialistas em Medicina Interna “vai abordar as “Recomendações Conjuntas da Sociedade Portuguesa de Diabetologia/SPMI sobre a Abordagem e Tratamento de Hiperglicemia em Internamento (Não Crítico)” e alertar para a diferença que existe no tratamento das pessoas com hiperglicemia no internamento e no ambulatório”.



Anabela Barros realçou o aspeto inovador do curso, que tem por base o role playing. “Além da atualização de conhecimentos, pretendemos que os formandos se sintam na pele do doentes, picando o dedo, enfrentando o receio da insulina, etc.” Na prática, “é uma forma destes profissionais perceberem, mais facilmente, as dificuldades dos seus doentes e como podem ajudá-los”.

Os temas a abordar são, sobretudo, a hipoglicemia, a cetoacidose diabética, a síndrome hiperosmolar, a hiperglicemia de stress, a insulinoterapia no internamento, a monitorização/autovigilância glicémica e a abordagem nutricional.

Além de Anabela Barros, a equipa de formadores conta ainda com Alda Jordão, internista do Hospital Pulido Valente, CHLN; Maria Filomena Roque, internista do Hospital Distrital de Santarém; João Coelho, internista do Hospital Beatriz Ângelo, Loures; Paula Lopes, internista do Centro Hospitalar de Setúbal; Rosário Bastos, enfermeira da Clínica de Diabetes do SAMS; e Mariana Pedro, nutricionista da Clínica de Diabetes do SAMS.



Este tipo de cursos vai continuar no próximo ano, garantiu Anabela Barros, porque “é preciso apostar muito na formação e na atualização de conhecimentos dos profissionais de saúde”. Esta necessidade de (in) formar torna-se ainda mais premente, segundo a especialista, com as novas recomendações.



Os cursos sobre diabetes dinamizados pelo NEDM contam sempre com uma grande adesão e têm habitualmente a participação de uma equipa multidisciplinar de formadores. Segundo Anabela Barros, “é muito importante ouvir o que colegas de outras áreas têm para dizer sobre a diabetes e de que forma podem trabalhar com os médicos para ajudar as pessoas com diabetes a aderirem à terapêutica e a adotarem estilos de vida saudáveis, que evitam ou adiam determinadas comorbilidades”.





Imprimir