Jornal do Dia Mundial do Coração sensibiliza portugueses para a importância de um ambiente saudável

No âmbito do Dia Mundial do Coração, assinalado hoje, está a ser distribuído gratuitamente a milhares de clientes dos hipermercados Jumbo, de Norte a Sul do País, um jornal com um conjunto de informações e conselhos sobre a doença cardiovascular, a causa de morte nº 1 em todo o mundo. Esta ação conta com o apoio da Fundação Portuguesa de Cardiologia e do Grupo Auchan.

A campanha deste ano do Dia Mundial do Coração salienta a importância do ambiente em que vivemos, que pode ter um enorme efeito sobre a nossa capacidade de fazer as escolhas certas, especialmente em ambientes cada vez mais urbanizados, que mudaram o nosso estilo de vida e os hábitos alimentares.

“Se eu tiver uma vida saudável e promover a minha saúde dentro de casa, arrasto esses princípios para o meu bairro, para a minha cidade e, assim, sucessivamente, logo acabo por viver num país mais saudável”, explica Luís Negrão, assessor médico da Fundação Portuguesa de Cardiologia e coordenador deste Dia Mundial. Ou seja, é importante a promoção de cidades mais saudáveis, criando bairros seguros, com iluminação, com passeios, com jardins e áreas de lazer, propícios à atividade física, para que as pessoas possam andar a pé.

Especialistas aconselham Dieta Mediterrânica

Manuel Carrageta, presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia, adverte que devemos consumir alimentos pobres em açúcar, sal e gordura animal. “Em Portugal, recomendamos a Dieta Mediterrânica, a alimentação mais saudável que existe. É rica em produtos vegetais, frutos secos, cereais integrais, peixe e gorduras vegetais”, menciona.

Devemos consumir álcool sob a forma de vinho tinto, um copo à refeição, e preferir a carne magra, sobretudo a de aves, comer peixe, uma sopa de hortaliça no início da refeição e muitas saladas temperadas com azeite virgem extra ou óleos vegetais.

“A Dieta Mediterrânica é mesmo o ideal de uma alimentação saudável e, em termos de Saúde Publica, a sua adoção constitui um verdadeiro projeto de saúde para a população, permitindo evitar muitos problemas”, sublinha Manuel Carrageta.

Luís Negrão explica, ainda, que a palavra dieta vem do grego e significa estilo de vida. “Não são só os alimentos que compõem a Dieta Mediterrânica, mas também o contexto em que se ingerem, ou seja, o contexto social, o lazer, o prazer e o descanso durante a refeição.”

Exercício físico

Devemos ter uma atividade física diária, sobretudo se tivermos uma vida sedentária e passarmos os dias sentados, por exemplo, à secretária.

“Essas pessoas devem fazer, pelo menos, em média, 30 minutos de marcha. Isto é o mínimo, porém, bastante bom, uma vez que permite ter uma ação preventiva sobre as doenças do coração”, explica Manuel Carrageta.

Luís Negrão refere que não devemos confundir atividade física com exercício físico. Atividade é tudo aquilo que fazemos e aumenta o nosso metabolismo e o consumo de energia. O exercício é estruturado e desenhado para determinados grupos musculares. Segundo indica, desde que moderada, toda a atividade física é aconselhada.

A distribuição do Jornal do Dia Mundial do Coração contou com a participação de Manuel Carrageta, que fez questão de explicar pessoalmente a muitos clientes do Jumbo a importância de várias recomendações, nomeadamente sobre a Dieta Mediterrânica.

Imprimir