Centro Hospitalar de Leiria: vai entrar em funcionamento o Hospital de Dia de Psiquiatria

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) acaba de anunciar que o Hospital de Dia de Psiquiatria abre portas na próxima segunda-feira, dia 9 de janeiro, e permitirá "o tratamento e acompanhamento dos utentes por uma equipa multidisciplinar e em ambulatório, o que contribuirá para a reintegração familiar, social e laboral dos doentes".

Segundo o CHL, o Hospital de Dia de Psiquiatria é uma unidade especializada "que prestará assistência a doentes psiquiátricos cuja gravidade clínica exige um plano terapêutico individualizado, intensivo e multidisciplinar, que compreenda não só o tratamento psicofarmacológico, mas sobretudo o tratamento e o acompanhamento psicoterapêutico e de reabilitação".

Funcionando em regime de ambulatório, visa a reabilitação de indivíduos com doenças psiquiátricas graves "que requerem tratamento no período de agudização da sintomatologia, ou que se encontram em transição de uma hospitalização breve para cuidados plenamente ambulatórios (e de caráter mais pontual, por exemplo em consulta externa)".

Contributo para uma "reintegração plena e gradual"

Cláudio Laureano, diretor do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do CHL, defende que "esta unidade é indiscutivelmente um recurso chave nos serviços de saúde mental na região, permitindo fazer uma transição mais suave e adequada dos doentes internados para a comunidade". Desta forma, é um contributo para "uma reabilitação e reintegração plena e gradual, que serve da melhor forma o doente".


Cláudio Laureano (foto: CHL).

O especialista considera que a unidade de ambulatório de psiquiatria "permite a continuidade do processo de estabilização clínica após uma hospitalização curta, desenvolvendo tratamento especializado nas vertentes psicológica, farmacológica e social, com foco no doente e na sua família, o que faz toda a diferença para o núcleo que acompanha aquele doente".

Paciente pode "regressar ao seu ambiente diariamente"

Segundo o CHL, o Hospital de Dia será "uma alternativa à hospitalização em regime completo, destinando-se a indivíduos afetados por patologia psiquiátrica grave (como psicose esquizofrénica, perturbações afetivas unipolares e bipolares, ou perturbações de personalidade)".

Esta nova valência permite "desenvolver tratamento especializado psicológico, farmacológico e social, com a vantagem do paciente regressar ao seu ambiente diariamente". Por outro lado, esta abordagem possibilita dar continuidade ao processo de estabilização clínica após hospitalização, "e fazer uma avaliação, em proximidade, do funcionamento social e da incapacidade do doente, que permite oferecer um plano integral de reabilitação psicossocial, promovendo tratamento de suporte, evitando interrupções ou reinternamentos".

Suporte social a familiares e a cuidadores

Cláudio Laureano destaca uma característica do Hospital de Dia "que consideramos que fará uma diferença significativa na vida dos utentes, que é o suporte social a familiares e a cuidadores".

Indica também o papel de "fazer uma ponte entre o utente e o sistema geral de saúde, garantindo a sua atenção integral pós alta, favorecendo a continuidade de cuidados no âmbito comunitário e prevenindo recaídas".

Capacidade diária para 16 utentes 

De acordo com o CHL, as atividades diárias do Hospital de Dia do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental incluem aulas/sessões de treino de aptidões sociais, atividade física, educação para a saúde, psicoterapia, intervenção psicopedagógica multifamiliar, reuniões comunitárias (com entidades externas que interagem com os utentes), entre outras. 

A unidade de ambulatório do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do CHL tem capacidade diária para 16 utentes, "sendo que o tratamento terapêutico pode variar de algumas semanas até quatro meses". Está localizada nas instalações da Unidade de Internamento de Doentes de Evolução Prolongada, em Andrinos, Leiria. 

seg.
ter.
qua.
qui.
sex.
sáb.
dom.

Digite o termo que deseja pesquisar no campo abaixo:

Eventos do dia 24/12/2017:

Imprimir


I Jornadas Multidisciplinares de Medicina Geral e Familiar: «um marco formativo»