Jornal do Dia Mundial da Luta Contra a SIDA

“Levantemos as mãos pela prevenção” foi o lema escolhido este ano pela ONU para o Dia Mundial da Luta Contra a SIDA, assinalado a 1 de dezembro. Neste contexto, foi realizado, no início deste mês, uma ampla ação de sensibilização, de norte a sul do país, que possibilitou a distribuição, em 25 hipermercados Jumbo de todo o país, de milhares de exemplares de um jornal informativo sobre o VIH/SIDA.



Com o apoio da APECS (Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA) e do Grupo Auchan (Jumbo), a iniciativa teve o patrocínio da ViiV Healthcare. A mensagem principal transmitida à população foi que “a prevenção continua a ser a arma mais eficaz para combater a epidemia”.



Segundo os dados mais recentes divulgados pela ONUSIDA, referentes a junho de 2016, no mundo inteiro, há 36,7 milhões de pessoas que vivem com VIH/SIDA, sendo que 18,2 milhões recebem atualmente tratamento, um número que duplicou em 5 anos.


Joaquim Oliveira, infeciologista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e presidente da APECS, lembra que existem hoje regimes terapêuticos “altamente eficazes, muito bem tolerados, cómodos e com muito poucos efeitos secundários”.


Foi possível, assim, “alterar radicalmente a história natural da infeção por VIH, transformando uma doença uniformemente fatal numa doença crónica e possibilitando aos doentes uma sobrevida e qualidade de vida sobreponível à dos não infetados pelo VIH”.




Promover uma maior literacia em saúde dos portugueses

Dar apoio à literacia e promover a adesão ao tratamento e à retenção no sistema de saúde, particularmente junto de pessoas que vivem com o vírus da imunodeficiência humana (VIH) ou o vírus da hepatite C, é um dos serviços que se encontra neste momento em fase de lançamento por parte do Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT), uma organização não-governamental.


Luís Mendão.

O seu fundador e presidente, Luís Mendão, explica, em declarações ao jornal agora distribuído aos clientes dos hipermercados Jumbo, que a estratégia é “identificar pessoas com infeção, oferecendo-lhes um serviço de acompanhamento e facilitação de inscrição e marcação da primeira consulta, da segunda consulta e realização de exames”, de modo a garantir que se familiarizam e resolvem os obstáculos dentro do hospital.

Imprimir