Caldas da Rainha: Luta coordenada contra a diabetes

Falta de recursos, de um Hospital de Dia e de uma Consulta de Pé Diabético, multidisciplinar e não apenas da Enfermagem, são os grandes desafios a enfrentar pela UCFD do ACES Oeste Norte/UID-Centro Hospitalar do Oeste – Caldas da Rainha. Nada que impeça os profissionais de darem o seu melhor e de acreditarem num futuro mais promissor. Afinal, os progressos na área da diabetes têm acontecido, de forma mais ou menos célere, como o pode comprovar Manuel Ferreira, utente diabético e ex-enfermeiro diretor do Centro Hospitalar do Oeste – Caldas da Rainha.

Manuel Ferreira sofre de diabetes há ano e meio. Não é apenas mais um dos muitos portugueses que descobrem ter a doença, mas o enfermeiro que, durante 38 anos, trabalhou na Unidade das Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste (CHO). “Cheguei a ser enfermeiro diretor, mal sabia que, depois de aposentado, voltaria ao hospital por causa da diabetes.”

Sabendo bem o que implica esta doença sistémica e crónica, tenta cumprir tudo com rigor. “Com esforço e dedicação, é possível manter os valores controlados. Comecei por ter 10 de HbA1c e já estou nos 5/6, controlando a alimentação, praticando exercício físico, vindo sempre às consultas.”

Para Manuel Ferreira, este empenho em controlar a diabetes fá-lo sentir-se satisfeito com ele próprio, mas não só. “Não se trata apenas de ver que cumpri com os objetivos e que assim tenho o problema controlado, mas também é uma maneira de dizer aos meus colegas de profissão que o seu trabalho vale a pena.”

Olhando para a realidade atual da diabetes, considera que a criação das UCFD veio trazer uma melhor comunicação entre cuidados de saúde primários (CSP) e hospitalares. “É fundamental o facto de se falar a mesma linguagem e de os procedimentos serem uniformes, só contribui para um melhor acompanhamento dos doentes.”

A reportagem completa pode ser consultada abaixo, em formato de e-paper:

Imprimir