Opinião

Ciclo de Atualização Cardiovascular: o local de encontro das «Heart Teams»

Ricardo Fontes Carvalho

Membro da Comissão Científica e Organizadora do CPC 2016. Serviço de Cardiologia do CHVNG/E. Professor da FMUP

A abordagem da doença cardiovascular é cada vez mais um trabalho de equipa, que se deve basear na construção de “Heart Teams” abrangentes. Estas equipas devem ser alargadas e envolver todos os profissionais que lidam diariamente com os doentes da área cardiovascular, nomeadamente, os colegas da Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Cirurgia Cardíaca, Pneumologia e Nefrologia.

Por outro lado, a Medicina Cardiovascular está em constante evolução, através do aparecimento de novos métodos de diagnóstico, mas também de novos fármacos e intervenções para o tratamento da doença cardiovascular. Mais do que nunca, é necessário um esforço adicional de atualização por parte dos clínicos que lidam todos os dias com a doença cardiovascular.

Desta forma, durante o Congresso Português de Cardiologia 2016, decorrerá, pela primeira vez, o “Ciclo de Atualização em Medicina Cardiovascular”, nos dias 24 e 25 de abril de 2016.

O objetivo central será fazer uma atualização nos grandes temas da Medicina Cardiovascular, focando as diferentes temáticas na visão do não cardiologista. Serão revistas 5 grandes áreas da Cardiologia, como a “Prevenção cardiovascular”, as “Arritmias cardíacas”, a “Insuficiência cardíaca em 2016”, a “Abordagem da doença valvular cardíaca”, o “Tratamento da doença coronária” e a ”Interpretação de exames em Cardiologia” (ver texto em anexo com o programa). Dada a relevância clínica dos temas, espera-se também uma grande participação dos colegas cardiologistas nestas sessões.



Durante todo o Ciclo de Atualização Cardiovascular, pretende-se um novo conceito de sessão, com grande enfoque na prática clínica do dia-a-dia. Assim, o Ciclo de Atualização estará assente em quatro ideias-chave:

1. Baseado em casos clínicos: todas as palestras partirão da apresentação de um ou mais casos clínicos representativos e, em seguida, cada caso será abordado/tratado com base na melhor evidência clínica e científica na área.

2. Interatividade: todo o ciclo decorrerá numa sala com sistema de televoto, que será usado para responder a perguntas de escolha múltipla relacionadas com os casos clínicos, com vista a aumentar o interesse e a interatividade com a audiência.

3. Foco nas guidelines e na melhor evidência científica: o objetivo será sobretudo demonstrar a melhor forma de aplicar as guidelines na prática clínica e ao doente individual.

4. Educação em Medicina Cardiovascular: pretende-se que as apresentações sejam altamente formativas e focadas na prática clínica.

Em resumo, esta linha interativa e de atualização será o ponto de encontro ideal de todos os profissionais que lidam com a doença cardiovascular, ajudando à construção de verdadeiras “Heart Teams” globais, que permitam reduzir o impacto da doença cardiovascular em Portugal.




Artigo publicado no Jornal Médico de janeiro.

Imprimir