Portugueses nomeados para o corpo editorial da European Heart Journal

Os portugueses Lino Gonçalves, cardiologista, e Adelino Leite Moreira, cirurgião cardiotorácico, foram nomeados para o corpo editorial da European Heart Journal. Para ambos, esta eleição representa, seguramente, o “reconhecimento” individual de cada um, mas também, e acima de tudo, da qualidade dessas especialidades em Portugal.

“É uma grande honra e um enorme privilégio termos sido convidados para pertencer a este grupo muito restrito de peritos que atuam como revisores desta revista de renome a nível mundial.” São estas as palavras do cardiologista Lino Gonçalves ao referir-se à nomeação que o colocou, juntamente com Adelino Leite Moreira, cirurgião cardiotorácico, no Board da European Heart Journal.

E observa: “É extraordinário para a Cardiologia portuguesa ter dois membros da sua sociedade inseridos neste grupo tão restrito. É curioso que tenhamos entrado ao mesmo tempo, penso que reflete muito da qualidade que a Cardiologia e a Cirurgia Cardíaca portuguesas têm neste momento.”

É também com orgulho que Adelino Leite Moreira afirma que, normalmente, são nomeados para estes cargos pessoas cujo trabalho é “reconhecido”, de forma a permitir-lhes avaliar e ter uma palavra na decisão da publicação ou não de outros trabalhos.

“É a possibilidade de ter uma palavra a dizer e um conhecimento íntimo do que se faz de topo em termos de ciência, seja ela básica ou clínica, na área cardiovascular”, observa o cirurgião cardiotorácico.
E menciona: “Esta é uma forma de nos mantermos em contacto e uma possibilidade de dar a conhecer adicionalmente o nosso trabalho, embora, mesmo como avaliadores e membros do corpo editorial, tenhamos de sofrer o mesmo crivo que os outros profissionais da área.”

É, contudo, e na sua opinião, uma forma de acompanhar de perto aquilo que de mais relevante se faz.

“Qualidade, inovação e rigor” é a resposta de Adelino Leite Moreira quando questionado acerca dos critérios de seleção que serão utilizados e explica que, em primeiro lugar, terá sempre em conta a qualidade científica, medida não só pelo rigor dos trabalhos efetuados, mas também sua inovação e capacidade de descortinar novos mecanismos e alvos que possam ajudar a melhor tratar os doentes.

Lino Gonçalves salienta que os critérios a utilizar terão de ser muito rigorosos.

“Estamos a falar de uma das revistas de topo a nível mundial, onde as taxas de aceitação dos trabalhos submetidos é estreitamente reduzida, sendo de apenas 10% das submissões.”

Segundo o cardiologista, terão de ser muito seletivos, procurando que os trabalhos clínicos ou de investigação translacional de excelência primem,  não apenas pela originalidade das ideias, mas também pelos resultados apresentados e seu potencial impacto no tratamento dos doentes na prática clínica diária.

“É isto que nós procuramos com insistência: desenvolver novas formas de tratar, no sentido de oferecer aos nossos doentes uma melhor qualidade de vida e uma maior longevidade.”

Por fim, e quanto às suas áreas de interesse, Adelino Leite Moreira indica que, como cirurgião cardiotorácico, faz investigação translacional e clínica, com um interesse especial pelas áreas da cirurgia de reparação das válvulas cardíacas, ablação da fibrilhação auricular, insuficiência cardíaca diastólica e ainda em novas estratégias capazes de aumentar a eficácia e diminuir as complicações da cirurgia coronária.

Já para Lino Gonçalves, a sua área de interesse prende-se, essencialmente, do ponto de vista clínico, com a Cardiologia de Intervenção. Além disso, tem também uma paixão pela investigação translacional, no sentido de encontrar os mecanismos das doenças, compreendê-las melhor e desenvolver novos alvos terapêuticos.

“Sou um clínico, mas curioso o suficiente para me interessar pela ciência básica e translacional”, conclui Lino Gonçalves.


Artigo publicado na LIVE Cardiovascular de abril 2014

Imprimir