Livro de Ana Todo-Bom sobre asma é «um valioso instrumento educativo para os prestadores de cuidados de saúde»

“Asma” é o título do livro coordenado pela imunoalergologista Ana Todo-Bom, que foi lançado recentemente pela Lidel. Em declarações à Just News, a diretora do Serviço de Imunoalergologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) indica que a obra surgiu para “colmatar a lacuna que existia na biblioteca médica portuguesa, no que respeita à asma brônquica”.

A professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra conta que o principal objetivo deste livro é facilitar a atualização e sistematização do conhecimento nas diversas vertentes que envolvem a doença asmática.

Nele se inclui informação sobre aspetos epidemiológicos e a sua evolução nos últimos anos e esclarece sobre a forma como a doença é tratada no âmbito de organizações internacionais. Incide ainda sobre aspetos da etiologia, fatores de risco, fisiopatologia, clínica, exames complementares de diagnóstico e terapêutica.



Destaca-se também pela inclusão de uma segunda parte direcionada para particularidades da doença em “populações ou contextos especiais”, nomeadamente em grupos etários diferentes ou associada a patologia sistémica e/ou outras patologias respiratórias que, modulando a sua apresentação clínica, têm, consequentemente, uma intervenção diagnóstica e terapêutica individualizada.

A inclusão destes temas, na opinião de Ana Todo-Bom, “sendo menos tradicional, adiciona um ponto de interesse” no conhecimento da asma enquanto doença obstrutiva respiratória crónica com elevada prevalência em toda a Europa.

Tendo o intuito de ser sintético e fácil de consultar, o livro destina-se a todos os médicos que tratam esta patologia, desde os mais generalistas – especialistas em MGF, internistas, pediatras – aos de áreas mais específicas, fundamentalmente, imunoalergologistas e pneumologistas, independentemente de estarem a cumprir a sua formação, ou serem já especialistas e que pretendam, de algum modo, revisitar a asma e ver o que saiu de novo sobre esta patologia.

Por uma questão estratégica comercial, o livro estará à venda nas livrarias depois do verão. Por enquanto, existem apenas disponíveis alguns exemplares que a empresa farmacêutica Bial adquiriu para distribuir gratuitamente a médicos com particular interesse na asma.

Livro de grande utilidade para a comunidade médica

Segundo o presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), Luís Delgado, aproximadamente 700 mil portugueses (7% da população) têm asma brônquica, que é também, hoje em dia, uma das doenças crónicas mais frequentes na criança.



“A asma, bem como outras doenças alérgicas (rinoconjuntivite, dermatite atópica, alergia alimentar e a medicamentos), constitui, hoje em dia, um problema de saúde pública de proporções pandémicas, necessitando de uma resposta coordenada e de todos os prestadores de cuidados de saúde”, afirma o presidente da SPAIC, desenvolvendo que, para todos eles, o livro “Asma” será um “valioso instrumento educativo, reunindo informação muito atual sobre a fisiopatologia, clínica, diagnóstico e tratamento da asma”.

Em nome da SPAIC, Luís Delgado felicita, na pessoa da editora responsável, Ana Todo-Bom, todos os seus autores pela “excelente iniciativa e pela obra”.

Também Carlos Robalo Cordeiro, secretário-geral eleito da European Respiratory Society (ERS) e diretor do Serviço de Pneumologia A do CHUC, faz questão de felicitar Ana Todo-Bom. “É uma iniciativa que me satisfaz plenamente enquanto pneumologista porque, de certa forma, está relacionada com a partilha clínica e científica das especialidades de Pneumologia e Imunoalergologia”, frisa.



“A asma é tradicionalmente uma área de grande partilha e a Prof.ª Ana Todo-Bom foi capaz de agregar, ao longo de todos os capítulos do livro, aquilo que fazemos na prática clínica: a multidisciplinaridade, para estudar uma doença multifacetada, sempre desafiante, de elevada prevalência e que exige a atenção, o cuidado e, também, a manutenção da nossa formação contínua”, afirma, frisando que é fundamental continuar a formar e a educar a comunidade médica para um tema tão relevante como é a asma brônquica.





Imprimir