Carlos Robalo Cordeiro vai ser o próximo secretário-geral da Sociedade Europeia Respiratória

Carlos Robalo Cordeiro, pneumologista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, vai ser o primeiro médico português a assumir o cargo de secretário-geral da Sociedade Europeia Respiratória. O anúncio oficial é feito amanhã, em Amesterdão, onde por estes dias têm estado reunidos cerca de 22 mil especialistas de todo o Mundo.

Carlos Robalo Cordeiro foi o candidato mais votado na segunda volta da eleição para secretário-geral da Sociedade Europeia Respiratória (European Respiratory Society - ERS), cujo congresso anual decorre desde sábado em Amesterdão, na Holanda.

O médico de Coimbra entrou na disputa eleitoral com dois adversários. Numa primeira fase, deixou para trás Joanna Chorostowska, diretora do National Institute of Tuberculosis & Lung Diseases de Varsóvia. Depois, venceu o médico inglês Andrew Bush, especialista em pediatria respiratória do Imperial College e editor da revista Thorax. A segunda volta terminou a 5 de agosto, mas o anúncio oficial do resultado só será feito amanhã, dia 29 de setembro, durante a Assembleia-Geral da ERS, agendada para o início da tarde.



Segundo os estatutos da Sociedade Europeia Respiratória, o médico português assume funções como secretário-geral eleito a partir de amanhã, mas só após o congresso de 2016, que terá lugar no Reino Unido, em setembro, iniciará efetivamente o seu mandato de três anos. Até lá, acompanha o secretário-geral em exercício nas tarefas mais importantes e na integração nos dossiês.

Além de pneumologista do CHUC e de presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, Carlos Robalo Cordeiro é também professor e coordenador do Centro de Pneumologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Ao cargo de secretário-geral que vai assumir juntam-se outros já exercidos na ERS, como o de secretário e chairman do grupo científico “Diffuse Parenchymal Lung Disease” e membro do College of Experts.

Prepara-se assim para seguir o exemplo do seu próprio pai, médico e professor catedrático que era, até agora, o único português a alcançar um lugar no Comité Executivo de uma das duas sociedades internacionais que deram origem à ERS, fundada em 1990. Mais de 30 anos separam uma conquista da outra.

O congresso deste ano da Sociedade Europeia Respiratória não só teve a particularidade de eleger um português como colocou em destaque a Pneumologia portuguesa. Este domingo, no auditório principal do Centro de Congressos de Amesterdão, falou-se unicamente em português e em espanhol, ao abrigo de uma parceria com a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, as congéneres espanhola e brasileira e ainda com a Associação Latino-Americana do Tórax.

Imprimir