Conferência sobre a história da Cirurgia Pediátrica realiza-se esta quarta-feira

António Gentil Martins é o orador convidado da próxima conferência organizada pelo Núcleo de História da Medicina da Ordem dos Médicos (NHMOM). A palestra, intitulada "A história da Cirurgia Pediátrica", tem início às 18h30 e decorrerá na Biblioteca Histórica da Ordem dos Médicos, em Lisboa. A entrada é livre.

"O exemplo de cidadania interventiva"

Em 2016, no âmbito da sessão comemorativa do Dia Mundial da Saúde, foi atribuído a António Gentil Martins o Prémio Nacional de Saúde 2016, uma das inúmeras distinções recebidas ao longo da sua carreira.

Este prémio, atribuído pelo Ministério da Saúde, foi justificado tendo em conta "a sua notável carreira assistencial, o seu contributo singular para a inovação de técnicas cirúrgicas, a extensão do acesso a modernas intervenções por parte da população pediátrica e o exemplo de cidadania interventiva que lega ao Sistema de Saúde".

Para mais informações sobre a Conferência: nhmom@ordemdosmedicos.pt


António Gentil Martins com o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães.

António Gentil Martins nasceu a 10 de Julho de 1930, em Lisboa, tendo-se licenciado em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina de Lisboa em 1953 e efetuado o Curso de Ciências Pedagógicas. Foi reconhecido como Especialista, pela Ordem dos Médicos, em Cirurgia Plástica em 1964 e em Cirurgia Pediátrica em 1972.

Dividiu a carreira entre o Instituto Português de Oncologia, criado pelo seu avô materno Francisco Gentil, e o Hospital Dona Estefânia. Foi chefe de Serviço de Cirurgia Pediátrica (durante 34 anos) e diretor do Departamento de Cirurgia (durante 14 anos) no Hospital Pediátrico de Dona Estefânia, em Lisboa. 

Em 1960 criou a primeira Unidade Multidisciplinar de Oncologia Pediátrica a nível mundial no Instituo Português de Oncologia de Lisboa, sendo pioneiro na quimioterapia pré-operatória e nas nefrectomias parciais em tumores renais unilaterais e nas metastectomias. Realizou mais de 12.000 intervenções cirúrgicas, algumas da maior complexidade, nomeadamente a separação de sete pares de gémeos siameses com nove sobreviventes (entre 12 viáveis - alto nível de êxito segundo os parâmetros internacionais).

Entre os muitos cargos que exerceu em diferentes instituições, foi fundador e é membro de Honra das Sociedades Internacionais de Oncologia Pediátrica Médica e Cirúrgica, foi bastonário da Ordem dos Médicos, presidente da Associação Médica Mundial, foi presidente e é membro de Honra da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Entre outras distinções, foi agraciado com a medalha de ouro do Ministério da Saúde e com a Medalha de Honra da Ordem dos Médicos.

Imprimir