Consulta de Geriatria do CHUC: um sonho antigo concretizado

O sonho de criar uma consulta de Geriatria no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) já era antigo, tendo acabado por se concretizar em maio deste ano, por proposta de Manuel Teixeira Veríssimo. Em entrevista, o responsável refere ter a expectativa de que, no futuro, a consulta possa crescer e vir a ter as vertentes de internamento, hospital de dia, consulta externa e formação.

Alguns dos médicos que passaram pelo Serviço de Medicina Interna, como José Gomes Ermida e Helena Saldanha, ambicionaram a criação de uma consulta de Geriatria no CHUC, que viria a ser criada em maio último.

Segundo Manuel Teixeira Veríssimo, seu coordenador, esta consulta pretende responder às necessidades provenientes do facto de cada vez existirem mais pessoas idosas na nossa sociedade e no hospital, assim como de esta população ter algumas particularidades clínicas com as quais, de modo geral, os médicos muitas vezes têm dificuldade em lidar.



“Nem todos os doentes idosos necessitarão de ser avaliados numa consulta de Geriatria, mas há alguns que, pela complexidade da doença, poderão justificar uma avaliação por quem está mais sensibilizado para detetar e avaliar os seus problemas“, frisa.

Estas particularidades prendem-se com o próprio envelhecimento, porque todos os órgãos vão perdendo capacidade e, por isso, mais facilmente entram em insuficiência. Por outro lado, as pessoas idosas têm, normalmente, várias doenças crónicas em simultâneo, assim como outros problemas, além da patologia propriamente dita (sociais ou familiares, por exemplo), que necessitam de uma avaliação conjunta.

“Há situações complicadas, muitas vezes com várias demências ao mesmo tempo e com sintomas pouco claros e específicos. Outras vezes, há quadros em que é difícil chegar ao diagnóstico e que justificam a avaliação numa consulta de Geriatria, precisamente por pessoas que estão mais sensibilizadas e que poderão, de um modo mais fácil, chegar ao diagnóstico e dar a orientação devida a esses casos.”

Uma das situações muito presentes nas pessoas idosas que causa frequentemente complicações é a polifarmácia, isto é, a toma em simultâneo de vários medicamentos, devido às várias patologias de que padecem. A funcionalidade é outro grande problema, sendo que esta população apresenta várias limitações funcionais para desenvolver as atividades no seu dia-a-dia.

De acordo com Manuel Teixeira Veríssimo, todas estas áreas terão de ser analisadas, inseridas e avaliadas em conjunto, com o intuito de criar uma resposta que tente, da melhor forma possível, responder a todas as suas necessidades.

Por outro lado, aponta, “há pessoas idosas cuja clínica é relativamente simples e que não coloca problemas de maior”. E acrescenta que, nestes casos, qualquer médico poderá ver e seguir a sua patologia.



Doentes são seguidos por uma equipa multidisciplinar

Além dos médicos, a consulta de Geriatria integra outros profissionais de saúde que dão o seu aporte no sentido de uma avaliação global da pessoa idosa. “Numa consulta de Geriatria, como noutras áreas, é fundamental que haja uma visão holística dos problemas do doente e não apenas unilateral”, menciona Manuel Teixeira Veríssimo.

Na consulta de Geriatria, para além da avaliação dos médicos, é necessário também o envolvimento de outros profissionais, nomeadamente, o enfermeiro, o psicólogo, o assistente social, o nutricionista e, eventualmente, o fisioterapeuta. “É importante que seja feita uma avaliação social (assistente social), funcional (enfermeiro ou fisioterapeuta), nutricional (nutricionista) e cognitiva (psicólogo)”, frisa.

Todos os profissionais atrás referidos integram a equipa da consulta de Geriatria do CHUC.








Imprimir