Correta higienização das mãos é essencial no combate às infeções hospitalares

Comemorou-se, esta terça-feira, o Dia Mundial da Higiene das Mãos. Neste sentido, o Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) realizou uma série de iniciativas, que incluem diversos dos seus serviços e alertam para a importância de uma correta higienização das mãos em meio hospitalar.

“Esta é das medidas mais simples, porém, das mais eficazes para controlo da infeção hospitalar”, disse Álvaro Aires Pereira, responsável pelo Grupo de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo das Infeções e da Resistência aos Antimicrobianos (GCL-PPCIRA) do CHLN, em declarações à Just News.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê cinco momentos para uma correta higiene das mãos por parte dos profissionais de saúde -- antes e depois de tocar no doente, sempre que se toca no seu ambiente, antes e depois de qualquer procedimento acético. Álvaro Aires Pereira explica, à margem das comemorações, que esta campanha consiste, precisamente, na formação de todos os profissionais que trabalham no CHLN e que serão, posteriormente, sujeitos a auditorias.

“O CHLN tem vindo a melhorar progressivamente e temos serviços com adesões a 90%, onde não falha praticamente nenhuma das etapas de higienização das mãos”, observa o coordenador do GCL-PPCIRA.


Este ano, o CHLN organizou, pela primeira vez, o concurso “Higiene das mãos – Outra visão”, onde os diversos serviços puderam concorrer com trabalhos, em formato de pósteres, vídeos ou trabalhos musicais, acerca da temática. A adesão foi grande e contou com a participação de 35 serviços de todo o centro hospitalar.

Durante a manhã, foi realizada uma cerimónia de entrega dos certificados que, no âmbito da Campanha Nacional de Higiene das Mãos (DGS) atingiram, em 2014, o nível “muito bom”. Foi, ainda, feita a divulgação dos resultados e a atribuição dos prémios referentes ao concurso “Higiene das mãos – outra visão”. A sessão contou com a presença de Carlos Martins, presidente do Conselho de Administração do CHLN.





Os profissionais aproveitaram a ocasião para lançar a Campanha “Nu… abaixo dos cotovelos”. “Segundo uma diretiva da DGS, não podemos ter adornos. Vamos então arregaçar as mangas, tirar os relógios e as pulseiras, fazer uma correta higiene das mãos e trabalhar ‘nus abaixo dos cotovelos’”, conclui.

Estão patentes no Hall D. Carlos, do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, exposições alusivas ao tema.





Imprimir