Curso de Reabilitação e Traumatologia do Desporto assinalou 25.ª edição

 O Curso de Reabilitação e Traumatologia do Desporto assinalou 25 anos no passado sábado. Perto de 500 profissionais estiveram presentes nas bodas de prata de uma iniciativa que “faz parte do currículo dos profissionais da Medicina do Desporto” e que “veio colmatar a falta de formação na área”, segundo o fisiatra Pedro Lemos Pereira. Organizador do curso desde o primeiro ano, juntamente com João Páscoa Pinheiro, diz que “é muito gratificante ver a boa reação de quem participa na iniciativa”.

O curso decorreu, mais uma vez, no Centro de Congressos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). “Todos os anos temos a assistir alunos, internos, fisiatras, fisioterapeutas, enfermeiros e cirurgiões, entre outras pessoas interessadas em conhecer melhor os avanços que vão acontecendo na reabilitação e na traumatologia do desporto”, referiu à Just News Pedro Lemos Pereira.

É com esperança que vê o futuro do curso: “O seu sucesso é um facto e não vamos desistir.” Ao longo destes 25 anos, “derrubaram-se barreiras que permitiram ver esta área da saúde como sendo muito importante para atletas de alta competição, mas também para o público em geral”, salienta.

O curso tem contado com o apoio de várias sociedades, destacando-se a Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação (SPMFR) e a Sociedade Portuguesa de Medicina Desportiva (SPMD).

Na sessão que assinalou a história do curso, o também fisiatra João Páscoa Pinheiro agradeceu “o apoio de todos os colegas que contribuíram para o sucesso de uma iniciativa que se veio a revelar essencial na formação em reabilitação e traumatologia do Desporto, uma área tão importante para a saúde e que faz a diferença na vida dos atletas”.

Na altura, João Paulo Almeida, presidente da SPMD, entregou a Pedro Lemos Pereira e a João Páscoa Pinheiro uma lembrança a assinalar as bodas de prata do curso.



A sessão de abertura contou com a presença de Catarina Aguiar Branco, presidente da SPMFR, que referiu “acompanhar a iniciativa desde o primeiro ano, quando ainda era interna”. João Paulo Almeida destacou o papel do curso “na formação contínua dos profissionais de saúde”, tendo ele próprio “aprendido muito com os vários palestrantes que têm participado no encontro ao longo dos anos”.

Paulo Beckert, do Colégio da Especialidade de Medicina Desportiva da Ordem dos Médicos, realçou que, “devido à excelente qualidade dos palestrantes ao longo destes 25 anos, o curso tornou-se obrigatório para quem quer tirar a especialização em Medicina Desportiva”.

A abertura dos trabalhos contou ainda com a presença de Carlos Cortes, representando o bastonário da Ordem dos Médicos, e de Arnaldo Paredes, adjunto do secretário de Estado da Juventude e Desporto.


Imprimir