GRESP lança curso intensivo de «cuidados respiratórios em Enfermagem»

"Os cuidados de enfermagem ao doente do foro respiratório variam da prevenção ao tratamento, até à reabilitação", afirma Liliana Silva. A enfermeira especialista em reabilitação da Unidade de Cuidados na Comunidade de Matosinhos (ULS Matosinhos) foi uma das formadoras do curso intensivo em doenças respiratórias para enfermagem, lançado hoje pelo Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias (GRESP).

Em declarações à Just News, Liliana Silva explica que "a promoção da literacia em saúde com a informação sobre prevenção de infeção, transmissão, vacinação e complicações associadas a doenças crónicas deve ser um tema abordado nas consultas de enfermagem, sobretudo nas épocas que anteveem o período de maior incidência de infeções respiratórias e, assim, agudizações da doença de base”.



Na sua opinião, é fundamental que o doente respiratório crónico tenha um bom controlo da sua respiração. Para isso, existem algumas técnicas que devem ser trabalhadas com o doente, como, por exemplo, a respiração diafragmática, que “melhora a eficiência da ventilação e as trocas gasosas e a oxigenação, através de inspirações profundas e expirações lentas”.

A enfermeira especialista em reabilitação acrescenta que existem igualmente técnicas específicas para otimização da ventilação e limpeza das vias aéreas, de acordo com as particularidades de cada doente, que serão aplicadas pelo enfermeiro especialista em reabilitação sempre que necessário. 


Enfermeiros participantes no curso com os formadores e o coordenador do GRESP.

Médicos e enfermeiros devem trabalhar em “estreita colaboração e articulação profissional” 

Para Rui Costa, coordenador do GRESP, atualmente, é fundamental os profissionais dos cuidados de saúde primários, como enfermeiros e médicos de família, elementos essenciais da equipa de saúde de CSP, trabalharem em estreita colaboração e articulação profissional e continuadamente promoverem, de uma forma holística, a melhor prestação de cuidados de saúde aos doentes respiratórios”.



Estes profissionais de saúde devem, de acordo com Rui Costa, promover boas práticas e procurar atualização contínua para estarem capacitados com as competências necessárias para melhorar a gestão e prestação de cuidados de saúde aos doentes com patologias respiratórias ao longo do tempo e de acordo com as suas necessidades.

“É vital envolver e capacitar os enfermeiros de família, à semelhança do que se passa, por exemplo, com outras áreas, como a hipertensão arterial e a diabetes, para darem apoio, acompanhamento diferenciado e personalizado aos doentes com problemas respiratórios crónicos e família”, sublinha.



Segundo aquele responsável, “o sucesso da gestão das doenças respiratórias crónicas assenta na prestação de cuidados de saúde personalizados, continuados e de qualidade, numa equipa de CSP funcional, em que o MF e o enfermeiro de família são elementos-chave”.

Com a duração de um dia, o curso intensivo decorreu no primeiro dia das Jornadas e teve como formadores, além de Liliana Silva, o médico de família Eurico Silva e a enfermeira especialista em reabilitação Glória Gonçalves.




Eurico Silva.


Glória Gonçalves.



Podem ser consultadas mais fotos das 4.as Jornadas do GRESP aqui.

Imprimir