Foi criada, em Coimbra, a Rede de Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica

Recentemente constituída, a Rede ESMO - Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica é uma estrutura que visa a cooperação de enfermeiros no âmbito da saúde sexual, reprodutiva e neonatal. 

O projeto integra profissionais do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Baixo Mondego.

A Rede ESMO é uma cooperação técnica, científica e humanística de enfermeiros ligados à prática clínica, à gestão, ensino, formação e investigação, que visa potenciar sinergias no âmbito da saúde sexual, reprodutiva e neonatal, segundo se lê no texto que estabelece a parceria. O documento foi assinado pelos responsáveis máximos das três instituições: os presidentes do CHUC, José Martins Nunes, e da ESEnfC, Maria da Conceição Bento, e o diretor executivo do ACES do Baixo Mondego, António Manuel Morais.

Em comunicado, a ESEnfC sublinha qual a visão da Rede ESMO: "Por uma sociedade onde cada filho seja desejado, cada parto ocorra em ambiente seguro e seja um acontecimento normal, e que cada pessoa vivencie uma sexualidade saudável".

Entre outras finalidades, o projeto procura "simplificar a parentalidade, tornando menos complexa a vida às mães e aos pais", implementar práticas mais uniformes no seio das maternidades e dos cuidados de saúde primários e estabelecer maior proximidade com as pessoas.

Faz também parte dos objetivos "investir nos jovens como população prioritária de intervenção para a promoção da saúde sexual e reprodutiva e da parentalidade positiva". 

Para já, são 30 os enfermeiros (professores e profissionais de saúde) que integram a Rede ESMO e que nos diferentes contextos – ensino, cuidados de saúde primários e cuidados diferenciados (maternidades) – vão procurar implementar técnicas facilitadoras dos processos de saúde sexual e reprodutiva.


A coordenação da Rede ESMO é assumida por Amélia Cunha (ACES Baixo Mondego), Esperança Jarró (CHUC) e Maria Neto Leitão (ESEnfC).

Imprimir