Hospital de Ovar já tem financiamento para a ampliação do Bloco operatório

A obra de reabilitação e ampliação do Bloco Operatório do Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar (HFZ-Ovar) acaba de obter condições de financiamento, estando “mais perto” a materialização de um antigo anseio da instituição.

"Não podíamos estar mais felizes com a notícia que abre caminho à concretização de um sonho, cada vez mais próximo da realidade", afirma o presidente do Conselho Diretivo do HFZ-Ovar, Luís Miguel Ferreira.

O aviso de candidatura ao Portugal 2020 que enquadra a ambicionada empreitada, envolvendo um montante global de cerca de três milhões de euros, foi publicado esta terça-feira.

"Este é o passo decisivo, onde nós finalmente encontrámos a solução para o financiamento, resultado de um enorme esforço e luta de muita gente em torno de um tema da maior importância para o nosso hospital e para toda a comunidade vareira", salienta Luís Miguel Ferreira.

O responsável destaca o “enorme contributo” da tutela para que o processo seguisse o curso desejado, designadamente as equipas do Ministério da Saúde e da Administração Regional de Saúde do Centro que, em articulação com o Conselho Diretivo do HFZ-Ovar, “tudo fizeram” para encontrar a melhor solução.

“Agora, há ainda um caminho longo a percorrer que passa pela elaboração da candidatura, abertura de procedimento concursal, visto do Tribunal de Contas, entre outros, mas estou certo de que a nossa determinação coletiva superará esta enorme exigência que se espera nas próximas semanas", explica, convicto de que a obra poderá avançar ainda este ano.

Esta unidade hospitalar, que conta atualmente apenas com uma sala de cirurgias, aumentou em 2019 (ano anterior ao período de pandemia) em 28 por cento as cirurgias, em comparação com período homólogo de 2018, registando neste indicador o melhor desempenho desde 2013.

“Apesar das condicionantes, não podemos deixar de evidenciar o excelente trabalho desenvolvido no nosso hospital, com esforço e dedicação por parte de todos os profissionais”, vinca Luís Miguel Ferreira. “Com a obra de reabilitação e ampliação do Bloco Operatório teremos naturalmente melhores condições para desempenhar a nossa atividade assistencial e para prestar um melhor serviço à população que servimos”, acrescenta.


Imprimir