Mais de 173 mil pessoas já beneficiaram este ano do cheque-dentista

Nos primeiros cinco meses do ano houve 173.259 pessoas que receberam cheques-dentista ao abrigo do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. A taxa de execução do programa ronda nesta altura do ano, os 65%, mas varia entre os 24% dos jovens que já completaram 15 anos e os 85% dos utentes com VIH/SIDA.

O Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral abrange crianças até aos 15 anos completos que frequentam as escolas públicas ou Instituições Particulares de Solidariedade Social, grávidas seguidas no Serviço Nacional de Saúde, idosos que recebem o complemento solidário e portadores de VIH/SIDA. Desde o início do programa já foram realizados mais de 6,5 milhões de tratamentos em quase 1,9 milhões de utentes.

O maior grupo de utentes do programa é o das crianças e jovens escolarizados, com 7, 10 e 13 anos, existindo já, nesta categoria, 123.026 beneficiados.

A Ordem dos Médicos Dentistas salienta que há 3305 médicos dentistas a colaborar com o programa que chega a 5597 clinicas e consultórios de medicina dentária de todo o País, sendo que a adesão dos profissionais ao programa é voluntária.

A utilização dos cheques-dentista está orientada para a prestação de cuidados preventivos e curativos mediante diagnóstico prévio efetuado pelo médico dentista.

O bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva, sublinha que “os dados mostram que 60% das intervenções efetuadas correspondem a procedimentos preventivos, como a aplicação de selantes de fissuras, (protetores das fissuras dos dentes contra a cárie dentária) ou seja, está a ser gradualmente atingido um dos principais objetivos do Programa que é a prevenção e deteção precoce de doenças da cavidade oral".

Orlando Monteiro da Silva acrescenta que "a incidência das cáries, a doença mais comum em todo o mundo, diminuiu consideravelmente nas crianças, o principal alvo deste programa. A longo prazo os ganhos ainda vão ser maiores porque, pela primeira vez, estamos a alertar de forma massiva as gerações mais novas para a importância da saúde oral na saúde em geral”.

O sucesso do programa com resultados comprovados na saúde oral dos beneficiários leva o bastonário a defender “que na atual situação económica que o País enfrenta deve ser ponderado o alargamento do programa a grupos risco adicionais, como os diabéticos, com o imprescindível aumento da dotação orçamental”.

Imprimir