Manuel Teixeira Veríssimo: «Seria desejável maior interação entre a Medicina Interna e a MGF»

Entrevistado pelo Jornal Médico, Manuel Teixeira Veríssimo, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), fala sobre a ligação com a Medicina Geral e Familiar (MGF) em Portugal. O internista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra acredita que o sistema de saúde e os doentes beneficiariam com uma maior interação entre ambas as especialidades.

O presidente da SPMI começa por referir que a Medicina Interna e a MGF são duas especialidades generalistas, embora com competências e objetivos diferentes.

“Os doentes da Medicina Interna, seja a nível do internamento, urgência, consulta externa ou hospital de dia, são também doentes da MGF”, salienta.

De acordo com o também professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, a ligação da SPMI com os Cuidados de Saúde Primários tem sido feita através das relações com a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), a qual se tem traduzido por algumas participações conjuntas em congressos e reuniões para debate de assuntos comuns da área da saúde.

“Tratando-se das duas especialidades que são a base do sistema de saúde, uma a nível ambulatório e outra a nível hospitalar, pensamos reativar essa ligação no sentido de, em conjunto, podermos contribuir para a melhoria da saúde em Portugal”, adianta o presidente da SPMI.

“Seria desejável maior interação, nomeadamente maior troca de informação e discussão dos casos, o que poderia facilitar a decisão de ambas as partes, com benefício para os doentes e para o sistema de saúde”, considera o internista.

Na sua opinião, “a existência do processo clínico único comum informatizado, assim como uma organização por unidades locais de saúde, onde hospitais e cuidados de saúde primários fossem geridos de uma forma integrada, seriam peças importantes para a melhoria desta relação”.

Manuel Teixeira Veríssimo revela que, neste momento, não existem projetos que envolvam os CSP e a SPMI, embora o próprio considere que, dentro de um quadro de cooperação com a APMGF, tal possa vir a acontecer.



As declarações de Manuel Teixeira Veríssimo fazem parte
de um Especial sobre Medicina Interna, publicado na edição
de outubro do Jornal Médico.

Imprimir