Médico Ativo-Paciente Ativo: incorporar o exercício físico «nas estratégias de prevenção e tratamento»

O efeito do exercício físico na dor lombar e as estratégias para modificação do comportamento nos utentes são dois dos temas que serão abordados nas IX Jornadas Médico Ativo-Paciente Ativo, um evento organizado pela Clínica das Conchas.

À semelhança da anteriores edições, o evento visa "sensibilizar a classe médica para a importância do exercício físico como constituinte transversal nas estratégias de prevenção e tratamento". 

E, nesse sentido, procura "promover a incorporação de hábitos de exercício físico na sua rotina diária pessoal e na sua prática clinica (da teoria á prática)".


Rodrigo Ruivo

De acordo com um dos elementos da Comissão Organizadora, Rodrigo Ruivo, cocoordenador do Centro de Formação da Clínica das Conchas, "serão abordadas temáticas de relevo, como o papel do médico/instituições médicas no Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física".

"Como realmente associar Exercício e Saúde?" é o tema de uma das intervenções de Rodrigo Ruivo nas IX Jornadas Médico Ativo-Paciente Ativo. O docente da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, recorda a importância de se fazer previamente uma avaliação da condição física:

“Deve realizar-se inicialmente uma cuidada avaliação da condição física, que inclua a avaliação de saúde, com anamnese clínica, avaliação postural e funcional, entre outras, para que se possa prescrever um plano de treino individualizado."

Desta forma, é possível assim respeitar “os princípios de treino (progressividade, individualidade, etc.), os rácios de força funcionais ideais e privilegiar a boa execução técnica dos vários exercícios”.

Conciliar atletismo e medicina

Arnaldo Abrantes, diretor médico no Estoril Praia – Futebol SAD, é um dos oradores convidados para esta edição. O médico, que foi atleta olímpico em Londres 2012, refere que conciliar duas atividades tão exigentes, como foi o curso de Medicina e ser atleta de alta competição, exige uma grande disciplina.

Contudo, reconhece que "o facto de adorar atletismo e adorar estudar medicina tornou tudo mais fácil". Atualmente, constata que há uma “elevada inatividade física em Portugal”, mas reconhece os sinais positivos de mudança:

"Principalmente por haver cada vez mais profissionais de saúde sensíveis a este tema e às inúmeras ações e programas (ex. Programa Nacional de Promoção de Atividade Física) que lutam diariamente para promover a atividade física dentro do dia-a-dia dos portugueses."



Podem ser consultadas mais informações aqui.

Imprimir