Médicos de família investigam impacto do burnout nos profissionais dos cuidados primários

Estudar o burnout nos cuidados de saúde primários (CSP) é o objetivo de um grupo de internos de Medicina Geral e Familiar (MGF), que estão a convidar médicos especialistas, médicos internos, enfermeiros e secretários clínicos a responderem a um questionário online até ao final de maio.

“É um problema de saúde com forte impacto a nível individual, mas também na própria equipa”, afirma Carlos Reis, o coordenador da investigação.

A importância de uma grande participação: "É preciso apresentar dados concretos sobre a realidade”

O projeto, de âmbito nacional, tem como objetivo identificar de que forma a síndrome de burnout afeta os profissionais dos CSP e surgiu na sequência do programa formativo de internos no curso de Introdução às Metodologias de Investigação da Coordenação de Internato Médico de MGF da Zona Norte.

Integram assim a equipa sete médicos internos e um especialista de MGF, de unidades de diferentes ACES da região norte, que esperam contar com a colaboração de médicos, enfermeiros e secretários clínicos no preenchimento de um questionário.

“É uma oportunidade de se conseguir obter dados científicos, que demonstram que a síndrome de burnout é um problema das equipas de CSP que tem de ser resolvido. Para se ter voz junto das entidades competentes, é preciso apresentar dados concretos sobre a realidade”, enfatiza Carlos Reis, em declarações à Just News.


Carlos Reis com restantes elementos da equipa de investigação.

Além de Carlos Reis, a equipa integra mais 6 médicos internos: Ana Catarina Araújo e Ana Isabel Silva (USF Nova Salus, ACeS Gaia), Carlos Reis (USF Sete Caminhos, ACES Gondomar), Diana Rodrigues (USF Nova Mateus, ACeS Marão e Douro Norte), Marta Duarte Gomes (USF Terras de Santa Maria, ACeS Entre Douro e Vouga I - Feira/Arouca), Miguel Rebelo (UCSP Macedo de Cavaleiros, ULS Nordeste), Raquel Reis Lima (USF Lagoa, ULS Matosinhos).

Participa também o especialista de MGF Tiago Taveira-Gomes (Departamento Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da FMUP, Investigador CINTESIS Grupo AI4Health).

"600 e-mails apenas numa manhã"

Uma das mais-valias do estudo é o envolvimento dos secretários clínicos. “Não existem estudos concretos sobre o impacto da síndrome neste grupo profissional, que também é parte da equipa de saúde familiar e esta é a oportunidade de se poder falar sobre a pressão a que estão sujeitos.”

Como explica: “Já antes da pandemia se sabia de alguns episódios de violência verbal, e até física, por parte dos doentes e, com a covid-19, toda a equipa está sobrecarregada com múltiplas tarefas, incluindo os secretários clínicos que chegam a receber, apenas numa manhã, 600 e-mails.”

Falando especificamente das manifestações da síndrome de burnout, Carlos Reis relembra que engloba três dimensões, "que não deixam de estar interligadas de alguma forma: exaustão emocional, despersonalização e baixa realização profissional".

Na sua opinião, são evidentes as consequências do esgotamento: “Com o cansaço extremo, facilmente se fica mais apático e até indiferente ao que se faz, acabando isso por ter repercussões no trabalho individual. Não se trata de falta de responsabilidade, mas de um problema que tem de ser identificado e tratado para que as equipas se mantenham ativas, eficientes e inovadoras.”

“É importante que os colegas participem"

O futuro especialista em MGF acrescenta que, em última instância, “a própria equipa acaba por ser afetada, o que não é de todo positivo”. Ao responderem ao questionário, os profissionais de saúde vão permitir ver qual a realidade a nível nacional, para se prevenir ou tratar esta síndrome.

Carlos Reis faz ainda questão de reforçar o convite: “É importante que os colegas participem, para que este problema seja reconhecido."



Até final de maio todos os profissionais dos cuidados de saúde primários podem participar AQUI no inquérito.



Imprimir


Próximos eventos

Ver Agenda