Médicos dentistas do SNS reúnem-se em Aveiro e discutem projetos-piloto do Alentejo e Lisboa

A cidade de Aveiro acolheu hoje o 1.º Encontro Nacional de Medicina Dentária no SNS, um evento promovido por José Frias Bulhosa, médico dentista no ACES Baixo Vouga e membro do Conselho Deontológico e de Disciplina da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD). 

O encontro teve o intuito de promover uma dicussão e análise "das condições de trabalho, formas de acesso por parte dos utentes, interligação entre os diferentes níveis de cuidados e partilha de experiências organizativas". 


Do programa fez parte uma mesa redonda, intitulada "Caracterização da atividade médico-dentária nas diferentes regiões", onde vários profissionais partilharam as experiências na ULS Nordeste, ARS do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, e regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

Identificar "o que necessita ser melhorado"

José Frias Bulhosa explica que a reunião teve ainda como objetivo "estruturar uma Carta de Princípios da Medicina Dentária no SNS que possa guiar as novas orientações a que a DGS está incumbida de apresentar até finais de julho".

Considera ser muito importante "a identificação e a discussão do que está bem e do que necessita ser melhorado", de forma a evitar que os projectos-piloto recentemente anunciados para as ARS de Alentejo e de LVT (Despacho n.º 8591-B/2016 - DR n.º 125/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-07-01) "não sejam uma ampliação dos problemas já sinalizados noutras consultas de Medicina Dentária existentes nos CSP".


Orlando Monteiro da Silva, Manuel Sebe, Francisco Silva e José Frias Bulhosa.

Caminhar "na direção correta"

A sessão de abertura contou também com a intervenção de Orlando Monteiro da Silva, bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, que sublinhou o facto da Medicina Dentária ter "um importante papel na promoção da Saúde Oral e não apenas no tratamento". Relativamente ao novo Despacho, que prevê a entrada de 13 médicos dentistas no Serviço Nacional de Saúde, afirmou "que vai ser um passo muito importante para que os profissionais otimizem as suas condições de trabalho".



Já Francisco Silva, em representação do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, considerou que “o baixo índice de Saúde Oral pode contribuir para o desenvolvimento de outras patologias, além de ter impacto nas finanças da Saúde".

Foi igualmente adiantado que, "face às restrições orçamentais, não é possível integrar mais médicos dentistas – além dos 13 para o projeto-piloto". Contudo, sublinhou que "este é mais um passo na direção correta" e que será dada prioridade aos utentes mais vulneráveis, como diabéticos, doentes com neoplasias, patologia cardíaca, patologia respiratória crónica, entre outros.


A sessão de abertura contou ainda com a presença de Manuel Sebe, diretor executivo do ACES Baixo Vouga.  



Comissão Organizadora do Encontro: Ricardo Viveiros Cabral, Maria Miguel Bettencourt, José Frias Bulhosa, Teresa Lavandeira Pimenta e Manuel Nunes.



"A Medicina Dentária na atual reforma dos Cuidados de Saúde Primários" foi o tema abordado por Alcindo Maciel Barbosa, membro da Equipa de Apoio para a Reforma do SNS no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários, cuja coordenação está a cargo de Henrique Botelho.


A reunião começou com um "Enquadramento histórico da Saúde Oral no SNS", palestra que foi proferida pelo professor Manuel Nunes.

Imprimir


II Jornadas Multidisciplinares de Medicina Geral e Familiar