«O SNS não é um milagre, mas fez vários milagres», salienta António Arnaut

O Fundador do Serviço Nacional de Saúde (SNS) afirmou hoje na sessão de encerramento das comemorações dos 35 anos do SNS, promovida pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), que “o SNS não é um milagre, mas fez vários milagres”. António Arnaut afirmou ainda “um dos milagres foi ter conseguido chegar até aqui, outro foi ter convencido a direita democrática de que é um projeto válido. Hoje em dia há consenso no reconhecimento do valor do SNS”.

Na mesma sessão, o presidente da SRCOM considerou que esta semana “foi um êxito em todos os sentidos”, destacando a grande adesão da comunidade às atividades desenvolvidas. “Desde a pintura, à música, passando pelo desporto e pela formação, em parceria com mais de 4 dezenas de parceiros da sociedade civil, foi uma semana muito dinâmica e participada”.

Carlos Cortes referiu ainda que, durante esta semana, ao visitar os vários locais onde decorreram as comemorações do aniversário do SNS foi patente algum “desânimo e insegurança” por parte dos utentes relativamente ao futuro do SNS. Perante esta situação, afirma que “há futuro para o SNS se todos fizermos o que tem que ser feito. Nós, médicos, profissionais e agentes da saúde e utentes devemos continuar a defender o SNS”.

A sessão de encerramento foi seguida pela cerimónia de rega da Oliveira do SNS, plantada por ocasião das comemorações do 30º aniversário do SNS junto ao Pavilhão Centro de Portugal, em Coimbra, pela Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, pela Liga dos Amigos do Hospital dos Covões e por António Arnaut. Este ano, a SRCOM associou-se à já tradicional cerimónia.

No evento estiveram também presentes  o bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, a presidente da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, Isabel Garcia, o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, e o reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, entre outros.

Imprimir