Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar de Lisboa Central lança «MentaLx»

Para Augusto Carreira, diretor da Área de Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), seria importante que existisse "um espaço de colaboração entre psiquiatras e pedopsiquiatras, que pudesse tratar as patologias do final da adolescência e de início da idade adulta". Em entrevista de fundo, publicada na 1.ª edição da newsletter "MentaLx", o responsável considera ser "impensável que haja regiões como o Algarve ou o Alentejo sem pedopsiquiatras".

"Aproximar mais as pessoas"

Entre vários outros temas abordados, e questionado sobre as vantagens que vê na criação de uma newsletter, Augusto Carreira começa por explicar que a Área de Pedopsiquiatria "tem cerca de 130 profissionais, dispersos geograficamente pela cidade de Lisboa" e que, ao longo dos anos, "funcionou muito numa lógica compartimentada". Considera que, "por um lado, cada equipa tem uma grande identidade, mas, por outro, há dificuldade em partilhar experiências, em comunicar entre si, o que me parecia uma falha importante."

Nesse sentido, acrescenta, o objetivo é "aproximar mais as pessoas e tornar a comunicação entre as equipas mais fácil. As equipas estão coesas com identidade própria, mas é importante que sintam que pertencem a um todo".

Nesta 1.ª edição da “MentaLx”, está igualmente em destaque a Unidade da Primeira Infância (UPI), que dá a conhecer a implementação do projecto “Baby Talks” junto das escolas secundárias do concelho de Lisboa.


Imprimir