Peginterferão beta-1a aprovado na União Europeia para o tratamento da Esclerose Múltipla

A Biogen Idec acaba de anunciar que a Comissão Europeia (CE) autorizou a comercialização do peginterferão beta-1a no tratamento para adultos com esclerose múltipla por surto-remissão (EMSR), a forma mais comum de esclerose múltipla (EM).

 De acordo com Sérgio Teixeira, Country Director da Biogen Idec Portugal, o peginterferão beta-1a "oferece às pessoas que vivem com EM um interferão com uma eficácia reforçada e com um perfil de segurança já bem estabelecido, que requer consideravelmente menos injeções do que outras terapêuticas injetáveis”.

Acrescenta ainda Sérgio Teixeira que este é o segundo medicamento que a Biogen Idec coloca no mercado neste ano e nesta área terapêutica, "o que vem sedimentar a liderança e o compromisso que a Biogen Idec tem vindo a demonstrar para com a comunidade de doentes com EM”.

O peginterferão beta-1a é o único interferão peguilado aprovado para a utilização na EMSR e reduz vários parâmetros de atividade da doença, incluindo número de surtos, lesões cerebrais e progressão da incapacidade. Esta aprovação baseia-se nos resultados de um dos maiores e principais estudos conduzidos com interferão beta, o ADVANCE, que envolveu mais de 1500 doentes com EMSR.

No ensaio clínico ADVANCE, o peginterferão beta-1a administrado de duas em duas semanas reduziu significativamente a taxa anualizada de surtos (TAS) ao final de um ano em cerca de 36 por cento quando comparado com placebo (p=0.0007).

Para o prof. doutor João de Sá, neurologista do Hospital de Santa Maria, o peginterferão beta-1a é “uma formulação distinta de interferão beta 1-a, que vai seguramente revolucionar a terapêutica de primeira linha da esclerose múltipla evoluindo por surto-remissão.” Acrescenta ainda que “teremos assim com um perfil de eficácia e segurança bem conhecidos uma formulação que permite ser administrada 2 vezes por mês, o que representa indiscutivelmente uma opção terapêutica extremamente cómoda para os doentes com esta doença que poderão ver assim muito melhorada a sua qualidade de vida.”

Imprimir