Saúde Mental: «a maior preocupação na área dos cuidados à infância e adolescência»

Maria do Céu Machado, diretora do Departamento de Pediatria do Centro Hospitalar Lisboa Norte e professora da FMUL, defendeu, numa conferência sobre “Diferentes perspetivas da doença crónica”, que a Saúde Mental deve estar no centro das preocupações na prestação de cuidados à infância e à adolescência, até porque se trata de um problema crescente. Em simultâneo, considerou “urgente uma estratégia na área dos cuidados continuados”.



Segundo a pediatra, que abordou o tema da “gestão da doença crónica nas crianças e jovens – uma perspetiva do presente e futuro", no âmbito da XI Conferência da Indústria Farmacêutica, promovida pela MSD/Diário Económico, uma doença mental que surja na infância e adolescência sem um tratamento adequado vai permanecer na fase adulta.

“Não temos uma organização de serviços de Psiquiatria da infância e da adolescência como deveríamos ter em Portugal”, referiu, acrescentando que são muito poucos os médicos especializados em Psiquiatria para esta faixa etária, como também “é mínimo” o espaço de internamento. Existe uma dezena de camas no Hospital Dona Estefânia para toda a área de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

Para Maria do Céu Machado, a escassez de profissionais e de internamento leva, por vezes, a uma situação perversa. “Quando um adolescente é referenciado para uma consulta, a prioridade vai para os casos mais graves e os casos ligeiros acabam por ser recusados. Ora, os ligeiros eram os que, a longo prazo, podiam ser tratados de forma a não terem problemas futuros. Não podemos continuar a descurar os casos ligeiros”, argumentou.



A gestão da doença crónica nas crianças e jovens enfrenta ainda outros problemas. Um dos que mais preocupam os médicos é a deficiente articulação entre os cuidados primários e os hospitalares e entre as próprias especialidades. Uma situação que origina “muito desperdício” e que se traduz na repetição de exames e consultas e, consequentemente, em perdas de dias de trabalho e de aulas.

Não só a médica entende que seria necessária a figura de um gestor do doente como seria benéfico o incentivo à gestão por equipas multidisciplinares, capazes de cuidar da doença e do estado social e emocional. Ou seja, um médico (gestor), médicos das especialidades em questão e apoio por enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais e envolvimento da criança/adolescente e família.

Segundo Maria do Céu Machado, a asma está no topo das doenças crónicas, seguida de outras doenças respiratórias, obesidade, diabetes e doença inflamatória intestinal. Na área da deficiência, estão as doenças neurológicas e a epilepsia.

A XI Conferência da Indústria Farmacêutica foi presidida por João Lobo Antunes, professor emérito da FMUL, tendo a sessão de abertura incluído, nomeadamente, a intervenção de Vítor Virgínia, diretor-geral da MSD Portugal.



Frank Lichtenberg, professor de Gestão da Columbia University Graduate School of Business, e George Weisz, professor de História da Medicina da McGill University, foram dois dos oradores convidados.



Podem ser consultadas mais fotos da conferência AQUI.

Imprimir


Médicos de família assinalam Dia Mundial da Asma 2019 na Sertã