Guimarães: Centro de Procriação Medicamente Assistida já permitiu o nascimento de mais de 500 crianças

O Centro de Procriação Medicamente Assistida (CPMA) do Centro Hospitalar do Alto Ave está a comemorar 10 anos de atividade. A 14 de junho próximo celebra-se este aniversário, marcando a implementação em Guimarães do CPMA, passando a fazer o ciclo completo de tratamentos aos casais da região. Até essa data, apenas parte dos tratamentos de infertilidade eram realizados em Guimarães sendo depois sequenciados no Hospital de Gaia, através de uma parceria para FIV de transporte. Para lembrar a data, haverá um evento informativo no Centro Hospitalar, com início pelas 9h30, dirigido à comunidade em geral, seguido de uma caminhada pela fertilidade entre o Hospital e o Parque da Cidade, com início pelas 11h30.

Em maio de 2004, em função do aumento da procura, o Centro de Procriação iniciou a sua atividade, tendo o primeiro bebé nascido em março de 2005, criança essa que estará presente nas comemorações, de entre mais de 100 já inscritas para o evento.

O CPMA encontra-se certificado pela Norma ISO 9001:2008 desde março de 2011 e é centro de referência para uma vasta região: Guimarães, Fafe, Vizela, Celorico e Cabeceiras de Basto, Braga, Barcelos, Trofa, S. Tirso e Famalicão, ou seja, um âmbito mais alargado do que a área de influência direta do Centro Hospitalar. 

A atividade tem vindo a aumentar de ano para ano, tendo já nascido mais de 500 crianças fruto dos tratamentos em Guimarães. Para Isabel Reis, médica responsável pelo CPMA, “a tendência é para que a nossa atividade continue a aumentar. As mulheres tendem a engravidar cada vez mais tarde, em idade mais avançada, e isso acarreta maiores dificuldades em engravidar. Quando começamos o número de mulheres com mais de 35 anos de idade que tratávamos rondava os 30%, hoje este número aumentou para cerca de 40%."

Acrescenta ainda a especialista: "Somos referência para uma vasta área, a PMA é de alguma forma o fim da linha, ou seja, é um tratamento que é realizado depois de estarem esgotadas todas as possibilidades de gravidez natural. Em Guimarães, felizmente, temos uma boa taxa de sucesso de gravidez, superior à média nacional, na FIV (Fertilização in Vitro) e na ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides)”.

Tabaco e álcool estão entre as principais causas de infertilidade

Em relação aos problemas de infertilidade da região, Isabel Reis indica que, “quando começamos a atividade, já tínhamos a noção que, para o homem, o tabaco, o consumo de álcool e as indústrias têxteis da região tinham muita influência. Para as mulheres, repete-se o tabaco, acrescentando fatores como a obesidade, problemas hormonais, doença inflamatória pélvica e a endometriose. No total das causas de infertilidade, o homem e a mulher dividem percentagens semelhantes (cerca de 30%) nos casais que submetemos a tratamento, havendo depois muitos fatores mistos e causas idiopáticas”.

Só no ano passado, 79 mulheres conseguiram engravidar através dos tratamentos do CPMA conseguindo realizar o sonho do casal ter o seu filho.

Imprimir