Tratar o idoso no ambulatório «é mais barato e é mais seguro»

Barato, seguro e uma maior qualidade de vida é o resultado quando se trata o doente idoso em ambulatório, refere Manuel Teixeira Veríssimo, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI). O responsável vai desenvolver este tema no decorrer das I Jornadas da Clínica CUF Belém, que decorrem dia 24 de abril, e que têm, como tema central, “O Doente idoso no Ambulatório”.

Manuel Teixeira Veríssimo é responsável pela Conferência de Abertura, cuja moderação está a cargo de Luís Pisco, vice-presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. O presidente da SPMI abordará a temática “Porque é que o doente idoso é diferente?” e, em declarações à Just News, explica, desde já, que “é diferente porque o envelhecimento provoca alterações físicas, fisiológicas, psicológicas e funcionais que fazem com que a resposta à doença seja diferente.”

E acrescenta: “Por outro lado, o idoso apresenta frequentemente várias doenças crónicas em simultâneo, com a consequente polimedicação, o que pode não só tornar os diagnósticos mais difíceis como também complicar a evolução da própria doença.”

Quanto à questão do ambulatório, Manuel Teixeira Veríssimo salienta que é uma opção “mais barata para o sistema de saúde, mais segura para o doente, que não corre riscos iatrogénicos inerentes ao internamento, e favorece o bem-estar e a qualidade de vida do idoso ao mantê-lo no domicílio.”

As I Jornadas da Clínica CUF Belém realizam-se na sexta-feira, no Centro de Congressos Lagoas Park, e vão reunir profissionais de diversas especialidades que tratam cada vez mais pessoas idosas, face ao envelhecimento da população.

O programa completo da reunião pode ser consultado aqui.

Para mais informações e efetuar a inscrição:
Eventos.CCB@jmellosaude.pt
telf. 213612300
- Gratuito para profissionais da José de Mello-Saúde
- 75€ para outros profissionais

Imprimir